Resenha de Guerras Secretas Homem-Aranha #2 – Panini Comics

A Ilha das Aranhas foi uma agitada e marcante saga que envolveu praticamente todo o elenco de personagens associados ao Homem-Aranha. Publicada originalmente em 2011, foi arquitetada e escrita por Dan Slott no modelo de “mini-evento”, ou seja, quando a editora publica uma série de revistas focadas em uma só linha/franquia – bem mais contida, por exemplo, do que as “megasagas”, que envolvem várias franquias, um volume muito maior de títulos e todas mais ou menos interligadas por um período de tempo maior (como estas Guerras Secretas, a propósito).

Na ocasião, a trama central foi desenvolvida no próprio título mensal do Homem-Aranha, mas a Marvel publicou algumas edições especiais e minisséries adicionais. A Ilha das Aranhas original obteve certo sucesso comercial e reconhecimento da crítica como um ótimo exemplo de saga curta, bem planejada e executada. Slott estabeleceu uma grande ameaça à Ilha de Manhattan na figura da Aranha-Rainha, uma espécie de semi-deusa que conseguia, a partir de um vírus, transformar seres humanos e super-humanos em híbridos aracnídeos por um período, até a transformação total em enormes e horripilantes aranhas.

. Volume de Spoilers: moderados.

A Marvel resolveu revisitar essa trama nesta minissérie em 5 partes, escrita por um colaborador habitual de Dan Slott, o (normalmente) ótimo Christos Gage. A história completa foi reunida pela Panini nesta edição #2 de Guerras Secretas Homem-Aranha e, honestamente, está longe de ser um trabalho de qualidade.

A aventura acontece em um Domínio constituído por uma Manhattan já tomada pelos híbridos aracnídeos, comandados telepaticamente pela Baronesa Aranha-Rainha, que ainda por cima conseguiu converter vários dos heróis mais famosos da Ilha em seus guerreiros. Rapidamente tomamos contato com uma força de Resistência, liderada pelo Agente Venon – aquele com o Flash Thompson. Alguns outros heróis imunes aos efeitos da conversão, como o Visão, também participam do pequeno, mas audaz, grupo de opositores.

Um dos maiores problemas com esta história está exatamente na escolha e, sobretudo, na interpretação exagerada das capacidades do protagonista. Em sua boa série solo (que durou 42 números e foi publicada no Brasil na revista A Teia do Homem-Aranha) que, aliás, começou após a saga Ilha das Aranhas original, foi possível acompanhar o Agente Venon em diversas missões de combate. Seu treinamento militar associado à destreza e habilidade do simbionte alienígena o permitia façanhas incríveis. Aqui, porém, ele vai (muito) além, e consegue ser extremamente eficaz e inteligente, elaborando estratégias fabulosas, sobrepujando heróis mais experientes e supostamente capazes, como Capitão América, Homem de Ferro e Homem-Aranha.

Durante o desenvolvimento da história, a cada nova solução encontrada pelo Agente Venon – muitas delas “tiradas da cartola” –  , o  leitor fica mais e mais incomodado com a tal eficácia suprema do herói. Uma dessas soluções é o uso de diversas fórmulas de superciência presentes da mitologia do Homem-Aranha que, por serem extremamente poderosas, deveriam estar melhor protegidas, ou poderiam simplesmente terem sido destruídas pela Aranha-Rainha e seus exércitos. Vale lembrar que ela comanda milhares de soldados híbridos, com força e poderes aracnídeos, que incluem alguns gênios científicos (Stark, Pym, Tchalla) e táticos (Steve Rogers, Carol Danvers). Oras bolas, se Flash Thompson deduziu o que essas fórmulas poderiam causar, certamente eles também teriam pensado nisso, não? Enfim, essas e outras situações são tão inverossímeis que minam a história. Há outros problemas, também, como a falta de carisma (e de inteligência) da própria vilã e outros momentos inacreditavelmente fortuitos, que facilitam os trabalhos da Resistência. Mas nada se compara ao arco final, com a presença de dinossauros (?) ressuscitados!!

A arte de Paco Díaz é agradável, com boas cenas de ação e uma narrativa gráfica correta, embora sem imaginação: os personagens são todos retratados exatamente nas suas características mais populares e, portanto, óbvias. Ele consegue dar conta do ritmo extremamente frenético e repleto de cenas de ação do roteiro, de fato o destaque desta HQ. Há algumas ilustrações que se destacam, em geral de heróis no uso de seus poderes, como o Visão e a Mulher-Aranha. As cores de Frank D’Armata são igualmente tradicionais, em um trabalho mediano, sem inspiração.

O resultado, enfim, é uma história do Agente Venom revisitando um cenário alternativo ao final da saga Ilha das Aranhas original, com muita ação desenfreada, clichês de Resistência-audaz-que-sobrepuja-um-Império-maligno, uma vilã pra lá de esquecível e uma arte ok. A propósito, há pouquíssima relação com o resto das Guerras Secretas. Se você não ler este tie-in, não vai perder nada significativo. Ou seja, não dá para se entusiasmar muito.

Completa a revista uma história de May Parker, a Garota-Aranha de uma realidade alternativa, situada em um futuro próximo ao que era o Universo Marvel do final da década de 90 (tal realidade foi batizada de MC2). Essa heroína é pouco conhecida na Brasil, mas teve ao longo do anos 2000 sua própria – e divertida – revista mensal, com uma audiência devota de fãs. Essa HQ saiu como história secundária na minissérie da Ilha das Aranhas nos EUA e a Panini acertadamente a encaixou na mesma edição nacional.

Os próprios criadores da personagem e que desenvolveram seu vasto universo, Tom De Falco e Ron Frenz, produziram esta história que, curiosamente, parece não estar inserida no contexto das Guerras Secretas. Tenho a impressão que a dupla de autores aproveitou a oportunidade e simplesmente criou uma continuação direta do último status quo deste universo. Há dezenas de personagens, heróis e vilões, a maioria filhos de ícones da Marvel, que contracenam com a Garota-Aranha em uma aventura leve, singela, com sabor dos quadrinhos clássicos de décadas passadas. É a melhor parte desta revista, sem dúvida, e a principal razão para a nota final não ser ainda menor.

Nota 5,5.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s