Os Guardiões da Galáxia e sua Primeira Aparição nos Quadrinhos

Neste artigo, acompanhe nossa análise da primeira HQ que apresentou os Guardiões da Galáxia e descubra como a equipe, seu conceito e origens eram completamente diferentes daquelas que o grande público conhece hoje.

O Quarteto Original dos Guardiões, diretamente do futuro: Vance Astro, Charlie-27, Martinex e Yondu

O Quarteto Original: Vance Astro, Charlie-27, Martinex e Yondu.

Primeira Aparição da Equipe: Marvel Super-Heroes #18 (janeiro de 1969), que foi também a estreia de todos esses personagens no Universo Marvel.
Criadores: Arnold Drake (roteiro) e Gene Colan (arte).
Editor: Stan Lee.
Título: Earth Shall Overcome!
Capa: Gene Colan.

Equipe e Poderes:
1. Major Vance Astrovik – americano do século XX que viajou durante 1.000 anos até o sistema solar Alfa Centauro, tem poderes telecinéticos e treinamento militar.
2. Capitão Charlie-27 – aparentemente o último jupiteriano livre, uma subespécie humana artificialmente desenvolvida para viver em Júpiter, tem pele ultra-densa, superforça e resistência, é piloto e com vasto treinamento militar.
3. Martinex T’Naga
– aparentemente o último plutoniano livre, uma subespécie humana artificialmente desenvolvida para viver em Plutão, tem pele cristalina, dispara rajadas de calor e gelo e é cientista nível gênio.
4. Yondu Udonta – aparentemente o último sobrevivente da espécie alienígena dos Centaurianos, é um guerreiro de aspecto tribal, arqueiro mestre das flechas Yaka, que controla por assobios.

Página interna com os Guardiões em ação

Adversários iniciais: a Irmandade dos Badoon (Brotherhood of the Badoon), espécie alienígena reptiliana que, no século XXXI, empreendeu um vasto ataque ao Sistema Solar e a Alfa Centauro, dominando a Terra e suas colônias em Plutão, Netuno, Marte e também o planeta natal dos Centaurianos. No momento em que saiu esta revista, os Badoon tinham recentemente aparecido pela primeira vez na revista Silver Surfer #2 (criados por Stan Lee e John Buscema), em outubro de 1968, apenas 3 meses antes! Eles são, desta forma, o elo com o restante do Universo Marvel.

Drang, o Comandante Supremo do Setor Leste do Império Badoon

Aventura futurista Sci-Fi: a história de Arnold Drake tinha, além dos atos heroicos e do esperado clima de aventura, um belo verniz de ficção-científica. O autor lançou, nas 22 páginas desta HQ situada no longínquo século XXXI, um conjunto impressionante de conceitos. Politicamente, todas as nações da Terra estão unidas sob a bandeira das U.L.E. (United Lands of Earth), que permitiu o desenvolvimento de esforços e tecnologia para colonizar dúzias de outros planetas, conhecidos como U.L.E. Federation. Os cientistas terrestres desenvolveram raças geneticamente modificadas para suas colônias planetárias, um sistema de teleporte para conectar os diversos mundos habitados (o Tele-Tran) e uma tecnologia revolucionária de transporte espacial baseada nas Harkovian Physics, um conjunto de teorias que substituíram as Einsteinian Physics. Outras inovações são a roupa de contenção de Vance Astro, responsável por manter sua integridade física (seu corpo tem 1.000 anos e foi congelado nesse tempo); animais desenvolvidos para guerra, como o Saturnian Hound-Hawk (misto de Lobo e Gavião); o dispositivo Psyke-Disk que os Badoon usam para controlar mentalmente as populações terrestres, tornando-os escravos quase autômatos; o mineral Yaka de Alfa Centauro que é “sensível ao som”, e outros incríveis conceitos.

Os Badoon à caça, com um Saturnian Hound-Hawk

Vance Astro e a Ironia Suprema. Um dos aspectos mais originais desta história é, sem dúvida, a dramática situação de Vance Astro. Antes de comentar sobre isso, vale ressaltar que o autor o caracteriza com 2 situações únicas, que o distinguem totalmente de seus companheiros: é o único terráqueo e veio do século XX, ou seja, 1.000 anos atrás (ele é, portanto, um herói “fora do seu tempo”, como o Capitão América naquela década, mas de uma maneira muito mais radical). Uma terceira característica, que aqui na edição original Drake apenas deixa em aberto, e que foi acrescentada por outros escritores, é que ele era mutante. Mas, voltando à sua origem, vale lembrar que o herói não passou por um deslocamento temporal. Vance foi selecionado pelo governo americano para ser o único astronauta em uma missão com destino ao sistema solar vizinho, Alfa Centauro. O problema é que a limitada tecnologia “da época” (do ano de 1988, lembrando que a revista foi escrita em 1968) gerava uma velocidade máxima ainda muito lenta, portanto o tempo da viagem seria de 1.000 anos. Vance foi colocado sob animação suspensa (outra situação similar à do Capitão) e despachado em um foguete. Contudo, nesse meio tempo os humanos desenvolveram uma tecnologia ultra veloz para viagens espaciais, o que permitiu colonizar outros planetas, inclusive de Alfa Centauro. Assim, quando o astronauta finalmente chegou a seu destino e foi descongelado, ao invés de ser um desbravador, uma multidão de terráqueos o aguardava! Ou seja, sua missão, seu sacrifício, foram completamente inúteis!

A história dramática do astronauta mutante Vance

Heróis da Liberdade. A história inicial dos Guardiões pode ser vista também como um grito em defesa da Liberdade. Os reptilianos Badoon são um império opressor que mata, prende e tortura. Charlie-27 estava em missão interplanetária quando ocorreu o ataque e descobre que é o último jupiteriano livre; a mesma situação é de Martinex, que diz que seus compatriotas plutonianos foram retirados em uma evacuação em massa algumas semanas antes. Yondu e Vance estão sob tortura, mas conseguem escapar e, depois de conhecerem a outra dupla (com direito a uma luta entre eles antes de se unirem), decidem que devem organizar uma resistência e combater os invasores até libertar a Terra e suas colônias.

No último quadro da sua revista de estreia, os Guardiões entoam um grito de liberdade!

Preço da Revista com a Primeira Aparição: sendo um título não muito popular da Era de Prata dos quadrinhos, é até relativamente fácil encontrar uma edição no mercado americano, mas com qualidade de conservação média ou baixa. Gradações elevadas são raras, como a nota 8,5 CGC da imagem abaixo. Exemplares em perfeito estado, de nota 9,8 a 10,00 podem atingir até US$ 6.000,00.

Edição CGC 8.5 à venda em site europeu a mais de 300 euros

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s