Resenha de Grandes Astros Batman Renascimento #5 – Panini Comics

Ufa, o duelo final!

Finalmente a resenha do último – e decepcionante – capítulo do primeiro arco desta revista, chamado Meu Pior Inimigo, que traz a dupla criativa Scott Snyder e John Romita Jr explorando mais da dupla de eternos rivais Duas-Caras e Batman.

. Volume de Spoilers: médio.

Com tantas frentes abertas nos capítulos anteriores, seria difícil um fechamento simples mas, caramba, não esperava por algo tão tumultuado. Snyder esclarece os motivos da caçada, acrescentando revelações importantes, incluindo um plano secreto megalomaníaco do Duas-Caras em andamento.

Sinceramente, precisei reler três vezes e ainda fiquei confuso. Será que eu deveria ter lido alguma outra história do autor para entender o contexto? Por via das dúvidas, voltei aqui nas minhas próprias resenhas e folheei as edições 1-4. Parece que não, e nem deveria ser diferente, já que a proposta de Grandes Astros era de contar histórias fechadas com uma ambientação diferente.

Mas a sensação de que tudo foi resolvido apressadamente continua, tanto pela revelação do tal plano maluco, que mal faz um fechamento adequado com a questão dos “quilômetros percorridos”, como pela retomada súbita da atitude do sumido Comissário Gordon que invade a Mansão Wayne com um time inteiro de policiais.

E então descobrimos que Alfred tinha um esqueleto no armário, daqueles lá do passado, relacionado a Harvey Dent, e portanto se julga o responsável por toda a confusão? Como é que é? Novamente: eu perdi algo, não?

OK, é compreensível e desejável que Scott Snyder tente fechar tantas pontas-soltas, mas o desenvolvimento é truncado, porque ele não desacelera com a proposta de ação non-stop, com muitos personagens se sucedendo freneticamente… enfim, esta história é terrivelmente caótica e pretensiosa – e não no bom sentido -, com uma sucessão de reviravoltas e soluções que parecem coelhos tirados de uma imensa e furada cartola.

Tanto em questões relevantes, como essa situação envolvendo Alfred, como nas triviais, que convenientemente saem do cinto de utilidades do Batman ou de um compartimento secreto escondido por Dent na casinha que ele e Bruce conviveram na infância… e então Alfred liga no momento certo, para interromper o combate final, no número que o Duas-Caras carregava? Caramba, nunca vi tantas “coincidências” em uma mesma HQ.

Há outras situações que me incomodaram bastante, especialmente a quantidade de ferimentos graves que o Batman sofre ao longo do arco. Vejamos: foi atingido por ácido nos olhos no capítulo 4, o que causou uma certa dificuldade na visão por alguns quadros, e agora já estava plenamente recuperado (?) a ponto de atingir arremessos com precisão e fazer análises clínicas sofisticadas (!). E depois de apanhar bastante do KGBesta e dos soldados da Corte das Corujas na edição anterior, é também empalado no peito e, mesmo assim, consegue ainda feitos hercúleos logo em seguida. Que eu saiba, o Cavaleiro das Trevas ainda não ganhou fator de cura Snyder!

Batman estava quase cego no capítulo anterior, mas agora ele esquiva de tiros do KGBesta e alcança uma placa de fibra de vidro que ele tinha “visto” antes…. sei, sei.

E ainda tem o Pinguim e os demais vilões que pouco acrescentaram à trama, aliás porque eles se envolveram nesta história mesmo?

Batman, Duke e Dent ainda sofrem uma queda mortal numa cachoeira, mas conseguem sair ilesos e encontram convenientemente um veículo para chegarem no destino final… e no meio do caminho uma multidão de gente “do interior” quer matar o Batman, estão armados até os dentes e, de alguma forma, sabiam onde ele estaria (?!) mas, por alguma razão que já nem me importo, na hora que tem a chance, desistem! Pois é…

Honestamente, este fechamento foi uma grande decepção. Não recomendo para nenhum leitor casual do Batman ou que procura uma HQ com um roteiro criativo ou bem desenvolvido. Sem dúvida os batfãs podem se interessar pela ação desenfreada, bem como aqueles que curtem a arte do Romitinha, como é aliás o meu caso, mas fora isso, não justifica o tempo e dinheiro investidos.

Ah, e não tivemos continuação da série de histórias curtas estrelando Duke Thomas. Senti falta, inclusive de uma conclusão adequada também para esse conto. Será que volta nas próximas edições? Eu, definitivamente, não voltarei.

Nota: 4,0.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s