Os Vingadores #3 – Panini Comics (2019)

Mais uma breve análise do primeiro arco desta mensal dos Vingadores – que ganhou força nos dois capítulos aqui contidos. Confira!

Na capa da edição #3 temos Odin e a chamada “A Origem Secreta do Universo”

Jason Aaron realmente não gosta de pensar pequeno. Quem leu suas recentes passagens por Doutor Estranho, Thor ou até mesmo o seu já longínquo trabalho com o Motoqueiro Fantasma (2008) sabe disso. Com os Vingadores dominando o mundo em popularidade há muitos anos, ele de fato pensou grande – vai ser difícil superar o tamanho da ameaça deste primeiro arco do roteirista com a equipe.

Os Celestiais são uma intrigante criação de Jack Kirby e permeiam as sagas cósmicas da Marvel esporadicamente, mas até então os argumentistas evitavam entrar em detalhes de sua origem ou quais segredos continham. Kirby inicialmente trabalhou os sempre mudos e enigmáticos Celestiais na revista dos Eternos (nos anos 1970), uma super raça criada por esses Deuses Espaciais a partir de proto humanos.

Como vimos desde o especial Marvel Legado, a proposta de Aaron é que há 1 milhão de anos atrás a Terra teria sido ameaçada por um desses Celestiais, ou pelo menos foi esse o julgamento de um grupo de entidades e avatares que, naquela ocasião, se uniram e o aniquilaram.

No primeiro capítulo desta terceira edição de Os Vingadores (Maio/2019), chamado “Uma batalha que foi perdida 1 milhão de anos atrás”, conhecemos detalhes do que aconteceu em seguida à morte daquele Celestial e aprendemos um pouco mais sobre cada um dos seres lá reunidos. Quem conta é o próprio Odin, que liderou a equipe, para seus visitantes no presente: seu filho Thor e a Mulher-Hulk.

Aprendemos um pouco mais sobre a primeira “formação” dos Vingadores.

A história avança com velocidade e há bastante ação, tanto no passado quanto no presente, onde os membros da equipe estão divididos, correndo contra o tempo para tentar conter as duas grandes ameaças apresentadas: a da Última Expedição – um grupo de Celestiais malignos que chegaram à Terra logo após dezenas de outros Celestiais, dos tradicionais, caírem mortos do céu; e a ameaça da Horda – um enxame de criaturas que irromperam do centro da Terra e, de alguma forma, está associada aos gigantes recém-chegados.

Aaron e seus desenhistas, Ed McGuinness e Paco Medina, criam bom drama em vários momentos, inclusive com o triste estado em que se encontram os Eternos. Impossível não esquecer que a Marvel Comics trouxe à tona esses personagens obscuros poucos meses antes dos mesmos serem anunciados como a próxima grande aposta da Marvel Studios nos cinemas (o filme dos Eternos está em produção).

Acredito que alguns dos conceitos destas revistas serão explorados no Universo Cinematográfico também, em pequenas doses, como é de praxe do estúdio, até algo mais bombástico lá na frente.

Arte dinâmica de uma das capas de Ed McGuinness

A explicação que Jason Aaron traz é, novamente, resultado de uma aposta gigantesca, mas calcada em pistas deixadas pelo próprio Jack Kirby no seu título dos Eternos, além de outras histórias de vários criadores diferentes. Há questões envolvendo a(s) Fênix, o(s) imortais Punhos de Ferro, o legado do Pantera Negra e do Deus Pantera, Aggamotto, a entidade que criou o “Olho” usado pelos Magos Supremos, os Espíritos da Vingança que alimentam os Motoqueiros Fantasmas e até mesmo Estigma, uma criação que eu gostava muito do Novo Universo de Jim Shooter (1986), cujo conceito foi reincorporado ao universo Marvel tradicional pelo grande Jonathan Hickman há alguns anos atrás, em outra fase marcante dos próprios Vingadores.

Sim, pode parecer muita coisa – e de fato é – mas acredito que esta história flui sem criar grandes dúvidas a ponto que a impeça de ser compreendida para novos leitores dos quadrinhos Marvel.

Juntar todos esses personagens e suas mitologias aos Eternos, aos Celestiais e – como a história vem desenvolvendo – de um modo tangencial aos Asgardianos, é um risco assumido pelos autores e a editora que podem desagradar a alguns dos fãs mais antigos mas, pelo menos até o momento, na minha opinião me parece positivo e abre possibilidades de centenas de histórias para diversos personagens.

O segundo capítulo (edição #5 do título original The Avengers) aprofunda a conexão entre os Celestiais e a Horda e traz logo nas primeiras páginas uma revelação que aparentemente esclarece o porquê da proliferação dos seres superpoderosos da Terra Marvel, um aspecto obviamente grandioso (de novo!) que a premissa pedia e o autor não se furta de entregar.

Contudo, Aaron habilidosamente traz essa novidade pela boca de Loki (o narrador em off da edição anterior) o que pode, em último caso, ser uma mentira ou, mais provavelmente, uma meia-verdade, algo que o próprio Capitão América pondera.

Conheçam… o Progenitor!

Algumas situações são resolvidas e a revista se encerra com uma splash page dupla inesquecível, um cliffhanger chocante, que deixa alguns de nossos heróis com um nível bizarro e inédito de poder. O roteirista mais uma vez demonstra uma grande capacidade de criar momentum, ao finalmente fazer com que os super heróis do presente se reúnam de modo espetacular, e acerta nos diálogos afiados, bem melhores e “no ponto” que na edição anterior.

Antes de concluir, preciso elogiar novamente o trabalho com cores de David Curiel, que opta por uma explosão de energia e vivacidade. É um estilo que combina com a arte cartunesca de McGuinness e Medina sem parecer artificial. A equipe criativa é sem dúvida de alto nível e capacitada em lidar com os temas grandiosos abordados, fazendo deste primeiro arco, até aqui, uma leitura mais do que divertida – diria até essencial – para os fãs da Casa das Ideias. Vamos ver a conclusão deste épico na próxima edição.

Nota: 7,5.

Os Vingadores #2 – Panini Comics (2019)

Avançamos com a leitura do primeiro arco da nova revista dos Vingadores. Confira nossos comentários nesta Resenha praticamente sem spoilers de um dos principais títulos atuais da Marvel/Panini.

Capa da edição #2 de Ed McGuinness

Vale lembrar que este material corresponde à fase batizada em 2018 nos EUA como Fresh Start, que zerou todos os títulos da Marvel Comics e que foi (e ainda é) um grande sucesso de vendas, em parte por ter recuperado alguns personagens nas suas versões mais icônicas.

Alguns desses títulos, como o Imortal Hulk, Venon e Capitão América, também são sucesso com a crítica especializada mas, de verdade, toda fase tem alguns títulos melhores e piores, e a maioria fica mesmo em uma avaliação mediana.

Os Vingadores (The Avengers) escrito por Jason Aaron, um dos mais celebrados nomes dos quadrinhos americanos dos últimos tempos, não figura entre os mais bem avaliados pelos resenhistas norte-americanos, mas também dificilmente leva notas baixas.

Na minha opinião, este primeiro arco começou muito bem na edição #1, mas aqui perde um pouco sua força. Ainda é divertido, mas seu desenvolvimento em termos de roteiro e arte deixa um pouco a desejar.

A nova formação conta com vários pesos-pesados da Marvel. Arte de Paco Medina.

A revista está cumprindo a promessa inicial: revelações sobre os “Vingadores de 1 milhão de anos atrás” ao mesmo tempo em quem uma nova formação dos “Vingadores do presente” é construída, calcada exatamente no retorno da primeira grande ameaça enfrentada pelos seus antepassados heroicos que, diga-se de passagem, não se chamavam Vingadores: era um grupo improvisado de Entidades e Avatares que conseguiram derrotaram um Celestial ferido.

Esta edição #2, lançada em Abril/2019, traz os Capítulos 2 e 3 do arco, chamados: “Ainda Vingando Após Todos Esses Anos” – desenhada por Ed McGuinness com arte-final de Mark Morales e Jay Leisten; e “Aonde Deuses Espaciais Vão Para Morrer” – em que McGuinness alterna com o competente Paco Medina, dono de um estilo semelhante que permite, assim, uma agradável unidade narrativa. As cores de ambos os capítulos são de David Curiel e são muito vivas e impactantes – há quadros que realmente “saltam aos olhos”.

Logo no começo, há uma narração em off, que descreve os acontecimentos para o leitor com muito sarcasmo e ironia: um grupo de Celestiais Malignos surge logo após uma enorme quantidade de outros Celestiais – do tipo mais, digamos, tradicional, terem caído na Terra por buracos dimensionais no céu; os 3 Vingadores mais emblemáticos, Thor, Capitão América e Homem de Ferro novamente reunidos (após os eventos da Guerra Civil II e do Império Secreto), enfrentam esses novos Celestiais; e aos poucos outros heróis também são obrigados a agir: a Mulher-Hulk, Capitã Marvel e o novo Motoqueiro Fantasma, Robbie Reys.

A Mulher-Hulk no modo “Selvagem” enfrenta o novo Motoqueiro Fantasma na arte de Ed McGuinness

Obviamente, o narrador será revelado no final do capítulo e, embora até funcione, eu não gostei muito do resultado dessa abordagem. Acho que Aaron não captou tão bem assim a “voz” desse que é um personagem-chave na história dos Vingadores. Os textos esbarram em clichês e soam pueris.

No capítulo seguinte, descobrimos o nível absurdo de poder dos Celestiais Malignos e todos os heróis finalmente se encontram, inclusive Pantera Negra e Doutor Estranho. Novamente, achei que Aaron escorregou em algumas abordagens, como no excesso de piadinhas forçadas de Stephen Strange. Por um lado, temos uma ameaça colossal e inédita para a equipe, que traz muita seriedade de um Capitão América e de uma Carol Danvers; e de outro temos vários heróis fazendo gracinhas a la Homem-Aranha: Stark, Estranho, Motoqueiro… como o estilo do desenho é também cartunesco, a ameaça perde força, quase parecendo banal.

No geral, gosto da arte de McGuinness pelo seu dinamismo: há algumas cenas muito bem feitas, especialmente de ação, e ele entrega um bom storytelling. Seus Celestiais certamente impressionam, e gostei da sua versão do Capitão, do Thor e principalmente do Motoqueiro Fantasma; já seu Homem de Ferro ficou um pouco esquisito, com a armadura parecendo de brinquedo.

Robbie Reyes, o Motoqueiro Fantasma que na real pilota um Charger!

Medina, o outro desenhista, procura emular ao máximo essas representações. A única que fica um pouco diferente é a Mulher-Hulk, uma personagem que passou por modificações recentes em seu status quo e agora tem uma atitude similar à do Hulk (Banner) clássico selvagem, pouco racional e disposta a esmagar tudo primeiro e perguntar depois. Não é, definitivamente, o meu retrato preferido da Jenniffer Walters.

O final deste capítulo traz alguns bons momentos, que fazem a história avançar, como Thor tomando a súbita decisão de levar a Mulher-Hulk com ele para ter uma conversinha com Odin; e Doutor Estranho e Homem de Ferro partirem atrás dos Eternos, chamados por Stark de “os especialistas” em Celestiais. Os diálogos também melhoram, mais adequados ao espírito da equipe e do perigo aparentemente sem solução que enfrentam.

Apesar das críticas, o nível da ameaça representado pelos Celestiais Malignos, chamados de A Expedição Final (leitores dos Eternos de Jack Kirby curtirão a referência!) e as (poucas) revelações adicionam interesse em acompanhar o desfecho. Em breve, volto com as resenhas das edições #3 e #4, onde este arco se conclui.

Nota: 6,0.

Os Vingadores #1 – Panini Comics (2019)

A nova revista dos Vingadores já está nas bancas. Cercada por expectativas de um lado e polêmicas de outro, será que vale a pena? Resenha sem spoilers e com nossa opinião sincera sobre o novo formato das mensais Marvel/Panini.

Arte de Ed McGuinness apresentando a nova e poderosa formação da equipe

Após correr com a fase Marvel Legado, a Panini começou a publicar agora em março/2019 a aguardada era Fresh Start, a primeira capitaneada integralmente pelo novo Editor-Chefe C. B. Cebulski e, por isso mesmo, optou por “zerar” alguns dos títulos mensais e também de encadernados.

Os Vingadores #1 traz material de duas revistas da Marvel Comics: Free Comic Book Day 2018 e Avengers #1 (julho/2018), ambas escritas por Jason Aaron, o celebrado roteirista de Thor, Dr. Estranho e muitos outros títulos dos últimos dez anos da editora.

A primeira história, “Criados Há 1 Milhão de Anos”, tem apenas 10 páginas e é lindamente desenhada pela italiana Sara Pichelli que tem, entre seus créditos, uma ótima passagem pelo novo Homem-Aranha (Miles Morales), ao lado de Brian Bendis.

A dupla nos apresenta um breve encontro entre o pai supremo, Odin, e o Pantera Negra. É algo surpreendente, porque trata-se de uma interação totalmente incomum nos quadrinhos. Há outros personagens, inclusive um saído diretamente da edição especial Marvel Legado, publicada no ano passado, mas o destaque fica por conta dos diálogos afiados e, certamente, da arte de Pichelli e das cores de Justin Ponsor.

Sara Pichelli e sua elegante arte digital

Esse conto serve como uma ótima introdução para a segunda história, essa sim, a verdadeira número 1 da Fase Aaron, desenhada pelo popular Ed McGuinness e chamada “A Expedição Final”.

Há muitos momentos interessantes nestas 32 páginas repletas de splash pages duplas e fatos decididamente inéditos na ampla mitologia Marvel.

Aaron revela o que aconteceu com o poderoso time de salvadores do planeta – apelidados de “Vingadores de 1 milhão de anos atrás” – imediatamente após terem derrubado um Celestial em Marvel Legado (ou seja, essa é uma leitura quase imprescindível para acompanhar esta nova equipe).

A Panini relançou Marvel Legado nas bancas porque de fato é um prelúdio para Vingadores #1

No presente, acompanhamos o reencontro de Thor, Homem de Ferro e Capitão América, o trio central dos Vingadores clássicos e que passaram por momentos conturbados nos últimos anos. Aaron trata de um jeito leve e irônico essas fases polêmicas – principalmente entre fãs mais antigos da Casa das Ideias -, em que os 3 foram substituídos por outros personagens quase que ao mesmo tempo, sendo uma mulher no lugar de Thor, um negro Capitão América e uma jovem negra (e inédita) no lugar do Homem de Ferro.

A Trindade clássica dos Vingadores se reencontra em um bar

Como de praxe em uma nova formação de equipe, os autores mostram uma grande ameaça que exige a união de vários heróis. É gostoso acompanhar a narração desses fatos e, novamente, é algo totalmente amarrado com os atos dos Vingadores da Idade da Pedra, formados por Odin, Agammotto, Fênix e antepassados do Punho de Ferro, do Pantera Negra, do Estigma e do Motoqueiro Fantasma.

McGuinness não entrega uma arte tradicional – é cartunesca mas muito poderosa, que evoca Kirby em diversos momentos. Mark Morales na arte-final e David Curiel nas cores completam o time artístico de primeira linha.

Arte de McGuinness e Morales retratando os Vingadores da Idade da Pedra ou de 1 milhão de anos atrás

Enquanto Doutor Estranho e Pantera Negra avançam em direção ao centro da Terra, na atmosfera a Capitã Marvel investiga fissuras bizarras e com energias fora da escala. É uma número #1 emocionante e com um cliffhanger quase impossível de ignorar.

Quanto à edição, a Panini caprichou em um miolo com papel couchê – ao invés do LWC da fase Totalmente Diferente Nova Marvel – que sem dúvida é de qualidade superior e permite que as cores e definições dos traços ganhem mais beleza.

E as capas cartonadas? Youtubers em geral criticaram, por acreditarem que encarece muito, a ponto de inviabilizar o acesso de uma revista mensal para muita gente. No Instagram, há fãs que também acharam desnecessário, mas até compraram, e há outros que, como eu, elogiaram.

O valor de R$ 9,90 para o material em si parece adequado, sem exagero, com cerca de 60 páginas no formato americano e colorido, papel de alta qualidade e capas encorpadas. Em comparação com outros materiais nas bancas – incluindo os mangás, Turma da Mônica Jovem, Tex e demais edições menores em preto e branco – são, sim, relativamente bem acessíveis.

Claro que não é para todo mundo mas, sendo franco, nunca foi nem nunca será. “Material de entrada”, em geral, são os formatinhos do Mauricio de Souza e da Disney, esses sim na faixa de R$ 5,00 a R$ 6,00. Quadrinhos de heróis são bem mais segmentados e complexos, mas podem ser degustados de outras formas, inclusive digitalmente, em sebos, emprestados, em promoções de encadernados, em bibliotecas, etc.

Há muitos e muitos anos que as mensais Marvel e DC não vendem milhares de edições como na década de 80. O mercado brasileiro é pequeno e, com a avalanche de encadernados de materiais novos e clássicos dividindo o orçamento dos colecionadores, e dezenas de outras ofertas de quadrinhos europeus, nacionais e alternativos – quase tudo, senão tudo, mais caro – acredito que sim, Vingadores #1 é uma opção “de entrada” para uma HQ de super-heróis. Fica difícil comprar muita coisa, é verdade, mas pelo menos os leitores tem opções de acesso e também mais quadrinhos diversificados, muito distante do cenário dos anos 80 ou 90.

Acompanho o trabalho da Panini desde 2001 e, é justo dizer, ela já testou diversos formatos e preços, inclusive um bem parecido com este na sua estreia. Acertando ou errando, vai continuar tentando o que for possível para que ela, em última instância, atinja o maior número possível de consumidores com as melhores margens.

Ressalto isso porque este novo formato parece permitir que ela comercialize as mensais também em outros canais, além das Bancas de Jornal. Há muita estridência na web brasileira, a ponto de xingarem o “departamento comercial incompetente” da editora, mas quem sabe os números concretos, mesmo, é a própria não é?

Belíssima capa variante de Avengers #1 de Esad Ribic

Há ainda um movimento interessante em curso que prega o consumo de material importado ao invés do da Panini como melhor custo x benefício.

Concordo em termos – sou grande fã dos quadrinhos originais e tenho milhares de edições by Marvel Comics – porque há vantagens incomparáveis em alguns quesitos (assunto para outro tópico) mas esse sim é um material muito mais restritivo para o consumidor típico.

Vejamos: será que R$ 9,90 está mesmo caro? É um quadrinho gourmet desnecessário e inacessível?

Façamos as contas: nos EUA há muito tempo cada edição mensal custa US$ 4,00, ou seja, cerca de R$ 14,00 em conversão simples. Nestas novas mensais nacionais, há o equivalente a duas das americanas e, portanto, custaria algo como R$ 28,00 (sem capa cartão nem papel couchê).

Tirando os seus (graves) problemas de comunicação, é compreensível que a Panini tente mirar nos leitores hardcore ao mesmo tempo que diversifique sua distribuição. A opção parece ser simplesmente o cancelamento.

Enfim, quem tem condições financeiras e gosta dos personagens, do Universo Marvel ou de uma boa HQ de super-heróis pode arriscar que a chance de gostar é muito alta.

Nota: 8,0.

Resenha de Avante Vingadores #6 – Panini Comics

Thanos faz sua entrada triunfal na revista dos  Supremos!

Resenha com todas as histórias contidas na edição #6  da revista mensal Avante, Vingadores! Pela primeira vez não há uma história solo da Capitã Marvel e 2 títulos aparecem com histórias dobradas.

. Nível de spoilers: leves.

Os Supremos #6 e #7
A primeira história desta revista é realmente diferenciada. Al Ewing, como já dito antes aqui, não se intimida com a grandiosidade dos elementos com os quais está brincando. Ele simplesmente deixa os Supremos de lado e escreve um conto cósmico do Galactus, baseado no mito de Sísifo, com direito a uma conversa franca e intrigante com o Homem Molecular. Sim, também como já dissemos antes, este título é praticamente uma sequência das Guerras Secretas. Mas, vai além, e Galactus, o agora Portador da Vida, vai ser confrontado por outras entidades que aparentemente não concordam com sua mudança de status quo. Sem dúvida alguns dos mais interessantes personagens do vasto panteão cósmico da Marvel estão nestas páginas. O desenhista convidado, Christian Ward, entrega imagens inesquecíveis. Outro trabalho fantástico.

Galactus soca outra Entidade Cósmica

Na segunda história, o autor divide o foco entre Carol Danvers, que precisa investigar uma suspeita levantada pelos Shiars, e o Adão Negro, que agora tem uma nova incumbência em pesquisar e conter seu antigo amigo e ex-vilão, Conner Sims, que fora resgatado no capítulo anterior no “tempo além do tempo”. Fico grato que o autor recupera esse importante elemento associado à origem do Adão Negro para criar novas histórias. O final da edição #7, contudo, é o ponto alto, pois Thanos ressurge, trazendo como sempre aniquilação. Kenneth Rocafort e Dan Brown retornam na bela arte. HQ recheada de acontecimentos, com roteiros criativos, personagens se não cativantes ao menos intrigantes, e diálogos cuidadosamente lapidados. A melhor série desta revista!
Nota: 9,0.

Esquadrão Supremo #7
Segunda parte do arco focado na Doutora Espectro, que parte em missão submarina, onde encontra mais do que esperava. Aliás, mais também do que o leitor imaginava. Novamente, James Robinson confirma que é um grande pesquisador do Universo Marvel e, imagino, entusiasta dos clássicos. Enquanto isso, em Nova Iorque, seu colega Falcão Noturno encontra… o outro Falcão Noturno! Bom, aqui vale uma pequena explicação: o nome original em inglês destes dois heróis é, de fato, Nighthawk. Porém, no Brasil o Nighthawk original, que atuou no Esquadrão Supremo e nos Defensores, tinha a tradução de Águia Noturna. E é ele quem aparece por aqui, disposto a encarar sua contra-parte interdimensional! No mais, há um pequeno trecho com Hypérion “descobrindo” a América e, de novo, nada da Tundra. Os desenhos de Leonard Kirk e Paolo Villanelli caíram de qualidade. Em alguns quadros há carência de detalhes, corpos desproporcionais e até mesmo a composição parece truncada. No geral, é uma edição menor, leitura rápida demais… vamos ver como se desenrola a conclusão no próximo número.
Nota: 6,0.

Força-V #7
Kelly Thompson conclui o arco com a Thor-Cristal que, finalmente, traz alguma relevância mas, mesmo a bela e vibrante arte de Ben Caldwell, Scott Hanna e Ian Herring não suavizam o bastante a irritante sequência de frases de efeito, piadas forçadas e a quase obsessiva necessidade de criar “fricção” entre as heroínas. A impressão final é que todas são igualmente duronas, cheias de atitude, mas que ao mesmo tempo não se descuidam da roupa e do cabelo – tudo em meio às batalhas e ameaças mortais. Claro, com exceção de Singularidade que, parece, não desperta a menor simpatia à nova roteirista e aqui é praticamente esquecida, o que é uma pena porque é uma personagem ainda nova e diferente. A vilã, Condessa, não traz tensão em nenhum momento e, mesmo assim, a forma como as heroínas a derrotam chega a ser engraçada de tão absurdamente simplória. Fiquei sem entender… apesar de ser um título para pré-adolescentes modernas e descoladas a referência é uma música pop dos anos 1980!? Então tá!
Nota: 5,0.

Incrivelmente Sensacional Hulk #6
Conclusão do segundo – e curtinho – arco do novo Hulk com a nova Thor, com bons desenhos de Michael Choi. Gostei mais do seu trabalho nesta segunda parte, porque capta melhor a energia do jovem e impetuoso Amadeus Cho. Também há mais leveza onde precisa e até nos momentos dramáticos o desenhista atinge os pontos certos nas expressões faciais, na postura dos corpos e na diagramação das páginas.

Arte interna de Mike Choi com o Hulk Amadeus e a Nova Thor

Há momentos divertidos na interação da poderosa dupla de heróis, que precisam ajudar um grupo de ferreiros Anões a recuperar metal Uru roubado pela Encantor. É uma história redondinha de Greg Pak, sem firulas, sem furos, sem grandes situações mas bem contada, que começou morna na edição anterior mas conclui de modo decente, respeitando as características de todos os personagens, com direito a um momento terno entre os irmãos Amadeus e Maddie.
Nota: 7,0.

Homem-Formiga #7 e #8
Mais dois capítulos de um longo e divertidíssimo arco com os infortúnios de Scott Lang, o Homem-Formiga. Após descobrir que o paradeiro de sua filha Cassie está relacionado ao Corretor do Poder e seu novo aplicativo para vilões, o Capanga 2.0, Scott decide ir direto ao encontro do perigoso e sarcástico executivo maligno, mas primeiro terá que enfrentar o novo… Homem-Planta! Há, como de costume, um cuidadoso trabalho com a caracterização de cada um dos diversos personagens da série que é, de verdade, não somente uma HQ do Homem-Formiga, mas de sua família, de seus adversários, dos amigos Mecanus e Urso, de antigos e novos amores. Pois é, parece mesmo uma sitcom, mas das boas! Nick Spencer dá conta de tudo isso com uma aparente enorme facilidade, com a valiosa ajuda de Ramon Rosanas na edição #7 e de Brent Schoonover na #8.

Capa da edição #7 com Homem-Formiga e seus parceiros em Miami

Essa segunda história, aliás, é ainda mais deliciosa de se ler. O autor recupera o tom de sua série Os Superiores Inimigos do Homem-Aranha (que saiu anos atrás na revista Aranhaverso), e traz um conto hilário – e até levemente deprimente – de um encontro entre 4 vilões classe-Z que, de alguma forma, acabarão trabalhando com nosso herói em uma missão de resgate. Melhor não contar nada além disso para não estragar, mas vale registrar que os autores nos lembram sempre que possível que há outra bela personagem central nesta ótima série: Miami.

Nota: 8,5.

Nota Final para esta Edição: 7,1.

Resenha de Avante Vingadores #5 – Panini Comics

Capa da Edição #5: Doutora Espectro reencontra Raio Negro

Nova resenha para a edição #5 da atual revista mensal Avante, Vingadores! Melhorou? Piorou? Ficou na mesma? Confira nossa opinião.

. Nível de spoilers: nada com o que se preocupar, a não ser o mínimo para situar cada história.

Esquadrão Supremo #6
Novo arco, com a primeira de uma história em três partes focada na Doutora Espectro. O roteirista da série, James Robinson, recupera um pouquinho dos acontecimentos que apresentaram esta personagem, poucos anos atrás, na fase dos Novos Vingadores de Jonathan Hickman (que está sendo republicada em encadernados pela Panini) e corretamente vai um pouco além, entregando a origem até então secreta da heroína. Ela é a versão alternativa mais recente do Doutor Espectro da década de 1970 que, por sua vez, era um análogo do Lanterna Verde da DC Comics (leia de novo este trecho que acho que dá para entender…). Porém, ao invés de um anel, os Doutores Espectros da Marvel possuem um Prisma do Poder, de origem mística, e não há relatos de que integram uma “tropa”. A personagem tem um pesadelo com Raio Negro, o poderoso líder dos Inumanos que a derrotou em combate no passado recente, quando ela ainda integrava uma superequipe chamada A Grande Sociedade – uma homenagem às duas maiores equipes da DC, a Liga e a Sociedade da Justiça. As imagens de Leonard Kirk são marcantes, embora sem muitos detalhes, com as tradicionais cores vibrantes de Frank Martin. Em seguida, a nova Doutora Espectro parte em uma missão submarina designada pelo seu colega Falcão Noturno. Lá nas profundezas do oceano, “boas” surpresas a aguardam. Temos também pequenos momentos com o próprio Falcão Noturno, que é surpreendido por um personagem que, de fato, precisava aparecer na série. O autor continua recheando as histórias deste Esquadrão com referências a eventos, locais e situações do vasto Universo Marvel. A atual empresa que o Falcão dirige, por exemplo, é a Oracle Inc., cujo proprietário original era o Namor, na intrigante fase de John Byrne dos anos 1990. Tundra ainda não está com a equipe, mas parece inevitável entrar, para ocupar a vaga da fugitiva Princesa do Poder.

Doutora Espectro relembra a derrota de sua equipe para  os poderosos Illuminati

Gosto muito desses aspectos do roteiro, é quase um presente a leitores veteranos. Por outro lado, a abordagem “radical” destes anti-heróis, que continuam matando seus adversários sem pensar duas vezes, traz um incômodo, um constante questionamento dos limites de quem possui muito poder – e essa é, talvez, a premissa central desta equipe, em todas as suas muitas versões ao longo do tempo.
Nota: 7,5.

Incrivelmente Sensacional Hulk #5
Novo arco, mas Greg Pak continua escrevendo as aventuras deste jovem Hulk que, após toda a confusão envolvendo o exército de monstros e a Madame Devassa, com direito a uma luta épica com Fin Fang Foom, oferece agora um desafio diferente, contra uma vilã clássica. Os desenhos são de Michael Choi, outrora um nome “quente”, especialmente em títulos mutantes, mas que, parece, perdeu muito de sua popularidade. Uma curiosidade é que, assim como o próprio Amadeus Cho, Mike Choi é coreano-americano, sendo residente em Los Angeles e casado com a colorista do título, Sonia Oback. Seu estilo, desenvolvido em grande parte na Top Cow! no final dos anos 1990, lembra ainda muito da Image desse período, com quadros grandes, corpos esculturais e assim por diante. Embora muito competente, com ele o título perde grande parte do charme, porque há uma camada de energia adolescente e comédia no lápis de Frank Cho, que Choi simplesmente não atinge. Mas, todos sabem que Frank Cho de fato não costuma ficar por longos períodos em títulos mensais. De qualquer forma, talvez esta história não seja tão bem-humorada quanto a anterior, mas pode ficar interessante graças à chegada de uma poderosíssima heroína. Será que o autor fará sempre team-ups? É um caminho tradicionalmente mais seguro, que permite tanto integrar o novo personagem ao Universo Marvel, como para incentivar fãs dos heróis convidados para arriscar com o novato. Mas, por outro lado, o titular perde chances para “mostrar a que veio”. Edição morna.
Nota: 6,5.

Os Supremos #5
Quem acompanhou, e gostou, das Guerras Secretas de Jonathan Hickman, deve adorar saber que Al Ewing bebe direto dessa fonte e revela mais algumas consequências dessa espetacular saga cósmica. Na continuação do arco que começou na edição anterior, os audaciosos Supremos vão onde nenhum outro herói alcançou e lá encontram mais enigmas do que respostas para o problema do “Tempo Fraturado”. Incapazes de ao menos entender o que encontram nessa área além da realidade conhecida, vão precisar da ajuda de quem menos esperam. Kenneth Rocafort e Dan Brown continuam realizando um trabalho impressionante na arte, dando a grandiosidade necessária às entidades e outros seres absurdamente poderosos que permeiam estas páginas, da primeira à última, que traz simplesmente um dos melhores cliffhangers dos últimos tempos de todos os títulos da Marvel.

Galactus em seu novo papel de Portador da Vida

Impossível não querer ler a próxima edição. É uma pena, mas parece que a série trouxe divisão entre os leitores mais fervorosos da editora: há um grupo que realmente gosta muito, e um outro que não gosta nem um pouco, alegando baixa qualidade nos roteiros de Ewing. Me alinho com o primeiro, porque definitivamente me emociono com os feitos e intenções destes heróis, e com a audácia de seus planos mirabolantes. Não se vê muito disso nos quadrinhos atuais.
Nota: 8,0.

Força-V #6
Nesta segunda parte do arco escrito por Kelly Thompson, a revista mantém o tom da edição anterior, com piadas e situações leves, “femininas” e, vale ressaltar, direcionada para teens. Foco na nova personagem, uma Thor-Cristal (a mutante), diretamente da Tropa Thor do Mundo Bélico das Guerras Secretas. É uma personagem que poderia render mais, porém, aqui, serve apenas para aguçar a curiosidade, dividindo as atenções com a Mulher-Hulk. O desenhista Ben Caldwell tem um traço interessante, muito competente, que combina com a proposta, mas é bem distante do padrão “super heróico”. A arte-final do veterano Scott Hanna e as cores de Ian Herring compõem um bom conjunto. Esta HQ não é para meu gosto, mas é inegável que a arte é caprichada. O desafio atual vem em dose dupla: uma poderosa vilã e sua nova aliada – uma das próprias heroínas da Força-V que foi mentalmente dominada. Enfim, acho que destoa bastante do resto do mix de Avante, Vingadores!, e não deve agradar ao grande público.
Nota: 5,5.

Capitã Marvel #5 
Final do primeiro – e arrastado – arco da nova fase da Capitã Marvel. Michele Fazekas e Tara Butters encerram a trama com algumas revelações e traições, muitos diálogos entre os heróis mas com uma enorme ausência de emoção. A premissa é, como já disse antes, interessante, e particularmente como sou grande fã da Tropa Alfa fiquei curioso e torcia para uma boa série. Além disso, Kris Anka tem um traço bonito, mas se não houver uma mudança muito contundente na qualidade desta série no próximo arco, vai ficar cada vez mais evidente que Carol Danvers ainda não ganhou um título à altura.
Nota: 5,0.

Homem-Formiga #5 e #6
Sem dúvida um dos títulos mais estáveis e de qualidade superior de Avante, Vingadores!, a nova série do Homem-Formiga, estrelada por Scott Lang, o atual detentor da identidade de este que é um dos primeiros super-heróis do Universo Marvel, continua impressionando pelas ideias modernas, sem malabarismos de roteiros, sem ações “épicas” ou recheadas de violência gratuita. Tudo funciona em harmonia: os diálogos, as caracterizações, a arte, o humor na hora certa… Nick Spencer, o criativo roteirista desta série e que também é o atual responsável pelas polêmicas HQs dos Capitães Américas, mostra versatilidade e a segurança de um grande veterano. Scott decide acatar um conselho da Vespa e começa uma sessão de treinamento com o novo Gigante, enquanto o Corretor do Poder decide contra-atacar seus rivais na indústria de TI e lança o “Capanga 2.0”. Ramon Rosanas, o desenhista, consegue capturar com perfeição o evento de lançamento do aplicativo, emulando as sessões de Steve Jobs e outros figurões de San Franscisco. Aliás, há ótimas piadas com o Vale do Silício – trabalhadores e entendedores desse mercado devem curtir.

Scott Lang decide treinar o novo Gigante…. usando cenários Lego!

A segunda história traz todo o foco para Cassie Lang. Angustiada com a descoberta de que seu pai, o próprio Homem-Formiga, estava espionando seus passos a fim de protegê-la, a adolescente toma uma decisão radical, em meio a um flashback de sua história de vida e morte, um reencontro com sua grande amiga Kate Bishop – a Gavião Arqueira – e momentos de seu dia a dia em Miami. A atitude de Cassie pode parecer absurda se a contássemos aqui, mas com a narrativa faz sentido e deixa esta HQ ainda mais interessante pelos fatos que poderão acontecer. A arte desta aventura solo da ex-Jovem Vingadora é da jovem italiana Annapaola Martello e mantém a qualidade de Rosanas.

Nota: 8,5.

Nota Final para esta Edição: 6,8.
Ou seja, foi a edição mais fraquinha até o momento, segundo nossa opinião.

Resenha de Avante Vingadores #4 – Panini Comics

Muito legal a postura dos heróis do Esquadrão Supremo na composição de Alex Ross

Continuamos nossa saga para rever toda a série mensal Avante Vingadores!, que prossegue com arcos que se concluem e outros que começam.

. Nível de spoilers: praticamente zero, vocês conhecem o esquema.

Esquadrão Supremo #4 e #5
Muita coisa, mas muita coisa mesmo acontece nestas duas edições da série do Esquadrão. No geral, é uma emocionante conclusão para o primeiro arco, com vários fechamentos satisfatórios de pontos apresentados anteriormente. James Robinson engata novamente a 5a marcha, vista com eficiência nas primeiras duas edições e, tão logo o Esquadrão chega ao bizarro Mundo Estranho, uma sequência de eventos deixa a equipe em sérios apuros. Falcão Noturno e Vulto explicam porque são uma boa dupla de combate, e finalmente Tundra assume seu aguardado protagonismo. Traições e surpresas, do vilão principal ao resgate de um herói bem obscuro no Brasil, passando por uma espécie de guerreiros de Cristal que tiveram seus 15 minutos de fama em algum momento dos anos 1980 e muitos outros interessantes habitantes do Mundo Estranho compõem harmoniosamente a trama desta bem realizada saga, cujo autor claramente está curtindo muita liberdade criativa com todo o vasto elenco. Ele ainda faz uma graça com o “herói inspiração” de Hypérion (Superman, claro) e o Esquadrão ganha um novo membro. Leonard Kirk, com a ajuda dos arte-finalistas Paul Neary e Marc Deering, e do colorista Frank Martin, entregam uma HQ dinâmica, repleta de bons momentos, com ótimos enquadramentos, personagens lindamente retratados e o agradável gosto de um bom quadrinho Marvel das antigas.

A arte de Kirk, Neary e Oback resgata o estilo de uma HQ clássica da Marvel

Uma observação: há tantas referências a histórias passadas da editora quanto um leitor mais atento “sente”, mas desconhecê-las não limita a compreensão desta história. Por outro lado, é instigante, dá sim vontade de investigar o passado de muitos dos personagens que (re)surgem. Quem leu tudo deve ter tido uma experiência ainda melhor!
Nota: 8,5.

Incrivelmente Sensacional Hulk #4
Este é o final do primeiro arco deste novo e Incrivelmente Sensacional Hulk, chamado “A Hora do Cho”, com mais detalhes dos acontecimentos que deram origem a este jovem Hulk e, claro, como Bruce Banner deixou de ser o monstro que todos aprendemos a gostar. Contudo, o autor, Greg Pak, criador de Amadeus Cho e de ao menos duas sagas memoráveis com personagem clássico (Planeta Hulk e Guerra Mundial Hulk), não se restringe ao passado, claro, e conduz com vigor também os eventos da atualidade, basicamente a pancadaria com o exército de monstros que Madame Devassa, a Rainha Monstro do planeta de Seknarf Nove (não me canso de escrever isso!) lança como desafio ao herói. Jennifer Walters tem uma bela participação, a ponto de imaginarmos se, de alguma forma, ela servirá como mentora de Amadeus no futuro? Frank Cho e Sonia Oback concluem seus trabalhos artísticos com o mesmo alto nível dos capítulos anteriores. Aparentemente, o título vai caminhar com o mesmo tom leve e bem-humorado com outros artistas, e Pak vai focar em encontros do novo Hulk com outros ícones da Casa das Ideias – heróis e vilões. É um bom começo.
Nota: 7,0.

Os Supremos #4
Parece que Al Ewing & Cia não reduzirão o nível de ambição criativa tão cedo. Após os espetaculares acontecimentos relacionados a Galactus nas duas edições anteriores, os Supremos dirigem seu olhar para o problema do “Tempo Fraturado” – uma questão já tratada em outras histórias e eventos dos últimos anos, como A Era de Ultron, Hulk Agente do Tempo, os jovens X-Men originais vivendo no presente, A Batalha do Átomo, entre outros. Sem dúvida, é algo importante e novamente um problema em escala universal que esta equipe decide resolver. Carol Danvers e Marvel Azul são os motores desta nova aventura. Vale acrescentar que a Capitã Marvel aqui é muito mais interessante do que na sua série solo. Outro aspecto digno de nota é que Adam Brashear de certa forma assume o vácuo deixado pelo sumiço de Reed Richards. Apesar de imensamente poderoso, é o intelecto de Brashear que conduz os Supremos para jornadas impossíveis. Kenneth Rocafort e Dan Brown novamente abusam dos painéis e cores vibrantes e inesperados. Um problema para os leitores brasileiros é, sem dúvida, o cliffhanger. Que eu saiba a minissérie solo com a origem do Marvel Azul não foi publicada pela Panini e, portanto, muita gente não vai entender a importância desta última página.

A origem do Marvel Azul – e de seu nêmesis – é revisitada nesta edição

No mais, outra ótima edição dos Supremos.
Ah, quem tiver interesse pelas origens do Marvel Azul clique aqui.
Nota: 8,5.

Força-V #5
Começo de novo arco e o tom desta série muda ligeiramente. Na verdade, sinto que com Kelly Thompson agora sozinha nos roteiros, ela decidiu escancarar de vez o que antes parecia algo meio incerto: esta é uma revista juvenil, que mira claramente em garotas teens. Sim, dos diálogos entre as colegas, às situações criadas, ao conceito das aliadas e das adversárias… tudo gira em torno do universo feminino (sim, isso existe ainda, não?), as personagens são todas mulheres, jovens e adultas. Embora Medusa deixe de ser tããão petulante como antes, ainda há muita “atitude” em quase todas as oportunidades, entrecortada por gracinhas que, penso, não tem muita ressonância com jovens leitoras brasileiras. Ou melhor, talvez elas não estejam comprando esta revista… Enfim, na história, agora que se livraram do vilão genérico Antimatéria, a equipe encontra um dragão (?) gigantesco enfrentando uma… Thor? Sim, é outra Thor, não a Jane Foster. Achei muito interessante que a roteirista tenha se inspirado diretamente no Mundo Bélico das Guerras Secretas para trazer uma nova aliada. Além disso, é boa a ideia de quem essa Thor é, porque está relacionada à uma das nossas heroínas. O visual muda sensivelmente com a entrada do desenhista Ben Caldwell, que tem uma arte em estilo fantasia, mas não realista, meio suja e cartunesca. É um traço bem próprio, mas não é para qualquer apreciador. As cores ficaram com Ian Herring, que carrega em tons azulados mas traz um bom resultado. Há uma certa harmonia no time artístico. Agora que assumiu sua característica feminina, Força-V ganha identidade, mas não necessariamente uma história de alto nível. Também fica muito diferente do resto do mix, ou seja, dificilmente vai agradar os leitores típicos de Avante,Vingadores, que a procuram por conta das histórias bem mais violentas e old school do Esquadrão (que, não custa lembrar, tem estrelado as capas até então), ou pela temática sci-fi ousada dos Supremos, ou pelo humor adulto e irônico do Homem-Formiga ou, claro, pela futura estrela do cinema Capitã Marvel. Mesmo comparada ao Hulk Amadeus, que é também leve e juvenil, Força-V é inferior, porque parece “se esforçar em agradar”, enquanto o verdão é muito mais autêntico e com histórias e arte em perfeita harmonia.
Nota: 6,0.

Capitã Marvel #4 
Então… o final do arco se aproxima e este penúltimo capítulo começa bem, com bons diálogos e Carol Danvers se posicionando com mais convicção e desenvoltura, a ponto de comandar um breve encontro com outros líderes, incluindo seu parceiro de Os Supremos, o Pantera Negra. Porém, quando a ação acontece, novamente percebemos os limites das autoras que, reassalta-se, não são especialistas em quadrinhos, e sim em roteiros para TV, Michele Fazekas e Tara Butters: o andamento torna-se truncado, situações meio sem explicações surgem e terminam, e lá no final um dos adversários alienígenas muda de ideia tão subitamente que parece um conto infantil – com todo o respeito às crianças, claro.

Carol Danvers pede conselhos para amigos poderosos em um bom momento desta HQ

Interessante que uma folheada nesta série traz uma impressão agradável, afinal o time Kris Anka, Felipe Smith e Matthew Wilson é competente, mas quando lemos até mesmo essa arte parece com problemas. Isso é, também, resultado da qualidade dos roteiros. Infelizmente esta continua sendo uma série mediana. Carol Danvers merecia mais.
Nota: 5,0.

Homem-Formiga #4
O humor fino desta série continua preciso, com uma grande quantidade de situações impagáveis. Sim, nem todos os leitores parecem curtir, mas o Homem-Formiga é uma das mensais mais consistentes da fase Totalmente Nova, Totalmente Diferente. De certa forma, é uma continuação espiritual de Os Inimigos Superiores do Homem-Aranha (saiu no Brasil na “Teia do Homem-Aranha Superior”), onde Nick Spencer mostrou, em grande estilo, que pode garimpar com maestria o catálogo da Marvel e trabalhar com qualquer personagem nível-Z de forma interessante. Aqui, ele faz essa mágica novamente, com a participação do super vilão Voz – basicamente, alguém cujas cordas vocais comandam outras pessoas (pena que há algumas piadas que se perdem na tradução). Há também um outro vilão que faz uma pequena e impagável ponta junto ao novo Gigante. Porém, o foco deste capítulo está nas relações interpessoais de Scott Lang, tanto com suas namoradas quanto, principalmente, com sua filha Cassie. Parece que nosso amigo, por mais que se esforce, por mais que tente, por mais que queira, simplesmente não consegue fazer a coisa certa. Essa é talvez a grande característica que o distingua de tantos outros heróis e, por isso mesmo, seu grande apelo.  
Nota: 8,0.

Nota Final para esta Edição: 7,2.

Resenha de Avante Vingadores #3 – Panini Comics

Esquadrão Supremo enfrenta os Fabulosos Vingadores

Mais 7 histórias dos 6 títulos que compõem esta nova fase da revista mensal Avante Vingadores!, lembrando que, efetivamente, nenhuma destas hqs é de Vingadores…

. Nível de spoilers: só para contextualizar, leia sem medo que nenhuma história será comprometida.

Esquadrão Supremo #3
Falcão Noturno
está encurralado pelo Esquadrão Unidade de Steve Rogers, mas não por muito tempo. É bacana ver a prontidão com que seus colegas de equipe respondem ao chamado, e logo os dois esquadrões estão se atracando. Antes, Hypérion tem um breve diálogo com Rogers, um bem-vindo cuidado do autor considerando que ambos foram membros essenciais na já clássica formação dos Vingadores da era pré-Guerras Secretas. Pela mesma razão, a Doutora Espectro procura justificar a execução de Namor mas, coerentemente com o que se espera de uma equipe de heróis genuínos, um crime é um crime e os Fabulosos Vingadores partem para cima do Esquadrão Supremo. James Robinson procura se divertir e levar o leitor junto na viagem, usando com categoria o fator novidade da Sinapse – inclusive para o próprio Falcão Noturno – e as tiradas amalucadas de Deadpool, mas confesso que estranhei a mega-hiper-velocidade que Mercúrio e Vulto demonstram. Talvez eu tenha perdido as últimas atualizações de poder do Pietro, mas ele nunca foi de alcançar velocidades nível Flash certo? Quanto ao Vulto, deve ter passado por algum boost também porque originalmente a proposta dele e de seus colegas do PN7 (da realidade do Novo Universo) era de poderes leves, sem exageros, mais “realistas”. Enfim, não gostei da volta ao mundo em poucos segundos da dupla de velocistas e muito menos do resultado. No mais, a batalha é interrompida duas vezes e o Esquadrão Supremo parece que vai conhecer um mundo bem… estranho! Leonard Kirk desenha belas splash pages, especialmente a última, mas também entrega alguns quadros mal resolvidos na composição. Esta HQ continua acima da média, embora no geral tenha achado este o capítulo menos interessante até o momento. Vamos ver se recupera o nível superior de antes.
Nota: 7,0.

Capitã Marvel #3 
Minha impressão sobre o principal problema deste título parece se confirmar a cada nova leitura e releitura: Michele Fazekas e Tara Butters não conseguem impor emoção alguma no decorrer da história. Nem com a Capitã Marvel, nem com seu enorme – e até interessante – elenco de apoio. Outro grande incômodo é com os diálogos: todos parecem ter a mesma “voz”, isto é, falta personalidade e carisma para estes heróis. De verdade, falta aquele toque criativo que permite o engajamento do leitor. Esta é uma HQ genérica, que dificilmente entrará na memória dos fãs da Marvel ou da Carol Danvers. Desta vez há poucas piadinhas e parece que a tensão vai aumentar com o mistério da nave alienígena capturada, mas as descobertas são todas bem pouco interessantes e no final das contas temos a impressão de que o potencial com o conceito da Capitã e sua Tropa Alfa está sendo completamente desperdiçado. Nem o bom time artístico de Kris Anka, Felipe Smith e Matthew Wilson consegue melhorar as coisas.
Nota: 4,5.

Incrivelmente Sensacional Hulk #3
“Maddy, eu gosto do seu irmão mas, quando Amadeus vira o Hulk, todos os hormônios adolescentes idiotas dele piram!” – essa frase, de Jennifer Walters, mais conhecida como a Sensacional Mulher-Hulk, é um pequeno exemplo de como esta HQ tem consciência das radicais diferenças que seu jovem e Incrivelmente Sensacional Hulk tem em relação a Bruce Banner. Em todos os momentos, estamos acompanhando situações inovadoras, com novos e velhos personagens em boa harmonia e uma arte de primeira linha. Esta é uma HQ divertida, leve, sem puxar para o drama, ódio ou destruição desenfreada…. embora haja muita pancadaria sim, como é de se esperar em um título-Hulk, é sincera em sua proposta. Contudo, pelas repercussões na web parece difícil para grande parte dos fãs do Hulk Clássico compreender que não é uma questão de comparar A com B. É como o Homem-Aranha clássico, Peter Parker, ser melhor ou pior do que o Homem-Aranha novo, Miles Morales. São personagens diferentes, apenas com nomes e origens conectadas. “Ah, mas os dois Aranhas estão convivendo, enquanto o Hulk Banner foi deixado de lado!” Oras, desde quando essas situações são permanentes nos universos de heróis? É válido afastar um dos ícones da Casa das Ideias por alguns anos sim, isso costuma dar bons frutos quando retorna. Aconteceu com X-Men nos anos 70 e foi um sucesso. Idem com o Thor nos anos 2000. Está acontecendo com Wolverine e também com o Quarteto Fantástico. Lógico que mais cedo ou mais tarde todos estarão com novas histórias. Então, porque não tentar baixar as resistências e curtir as novidades?

Fin Fang Foom come tubarões brancos no café da manhã

Desta vez, Amadeus precisa enfrentar uma criatura verdadeiramente poderosa, Fin Fang Foom, retratado em toda sua colossal glória por Frank Cho. Não há uma explicação clara para a aparição do monstro alienígena, e isso de verdade pouco importa na trama, mas o duelo é um desafio que vai exigir mais do que músculos do novo Hulk. Enquanto isso, Madame Devassa, a Rainha Monstro do planeta de Seknarf Nove aguarda o desfecho da batalha para decidir sua próxima atitude com nosso jovem herói esmeralda.
Nota: 7,0.

Os Supremos #3
Parece que Al Ewing & Cia não reduzirão o nível de ambição criativa tão cedo. Após os espetaculares acontecimentos relacionados a Galactus nas duas edições anteriores, os Supremos dirigem seu olhar para o problema do “Tempo Fraturado” – uma questão já tratada em outras histórias e eventos dos últimos anos, como A Era de Ultron, Hulk Agente do Tempo, os jovens X-Men originais vivendo no presente, A Batalha do Átomo, entre outros. Sem dúvida, é algo importante e novamente um problema em escala universal que esta equipe decide resolver. Carol Danvers e Marvel Azul são os motores desta nova aventura. Vale acrescentar que a Capitã Marvel aqui é muito mais interessante do que na sua série solo. Outro aspecto digno de nota é que Adam Brashear de certa forma assume o vácuo deixado pelo sumiço de Reed Richards. Apesar de imensamente poderoso, é o intelecto de Brashear quem conduz os Supremos para jornadas impossíveis. Kenneth Rocafort e Dan Brown novamente abusam dos painéis e cores vibrantes e inesperados. Um problema para os leitores brasileiros é, sem dúvida, o cliffhanger. Que eu saiba a minissérie solo com a origem do Marvel Azul não foi publicada pela Panini e, portanto, muita gente não vai entender a importância desta última página. No mais, outra ótima edição dos Supremos.
Ah, quem tiver interesse pelas origens do Marvel Azul clique aqui.
Nota: 8,5.

Força-V #3 e #4
A equipe das heroínas Mulher-Hulk, Medusa, Capitã Marvel, Cristal e Nico, reunidas desde a chegada da Singularidade, continuam tentando deter a misteriosa entidade cósmica Antimatéria. Kelly Thompson assume a linha de frente nos roteiros, ainda em associação com G. Willow Wilson e, apesar de o roteiro melhorar em relação ao capítulo anterior (pelo menos há um plano minimamente coerente em ação), os diálogos e, sobretudo, a atitude das super heroínas continuam bem exagerados e completamente distantes do que se esperaria delas. Medusa irritantemente arrogante, Nico meio insegura, meio engraçadinha, Carol Danvers apática e, de novo, porque ela não chama seus colegas dos Supremos para acabar com a ameaça? Por essas e outras que esta equipe parece simplesmente desnecessária.

As heroínas cheias de atitude da Força-V

Pelo menos Cristal, que até a edição #3 estava amarga e mal-humorada, tem algum desenvolvimento coerente. No final das contas, o primeiro arco fecha de maneira parcialmente satisfatória. Jorge Molina Laura Martin ajudam ao produzir um trabalho competente, mas ainda assim nada memorável. Sabe-se que este é um título cancelado nos EUA, mas esperava algo mais interessante.
Nota: 5,0.

Homem-Formiga #3
Outra edição impecável com a nova fase de Scott Lang em Miami, desta vez com uma divertida parceria com o novo Capitão América, Sam Wilson. Nick Spencer tem uma precisão cirúrgica nos diálogos, um roteiro coeso, com os tempos certos para cada cena, o tom para cada voz, inclusive dos vilões, como o impagável Mecanus. É incrível como o autor sabe brincar com o absurdamente vasto catálogo de personagens do Universo Marvel. Além da chegada do Corretor de Poder, como um dos nêmesis do Homem-Formiga, em versão atualizada e com um plano inteligente, há diversas surpresas que leitores das antigas vão curtir, e os novatos provavelmente ficarão intrigados. Para fechar mais uma ótima edição, se em Avante Vingadores #2 tivemos o retorno da namorada heroica de Scott, Darla Deering, desta vez temos uma outra ex que vai certamente complicar ainda mais sua vida. Ramon Rosanas está seguro na arte, com páginas muito bem planejadas e um traço clean, bonito, elegante, com certeza uma das grandes razões que tornam este um dos mais sólidos runs da atual Marvel.
Nota: 8,0.

Nota Final para esta Edição: 6,6.