Rápida Resenha de X-Men #9 – Panini Comics

O evento Guerras Apocalípticas entra em seu terceiro mês e as equipes mutantes se espalham entre o presente, o passado e o futuro. Resenha praticamente livre de spoilers.

Capa de Ken Lashley com os Novíssimos X-Men

Extraordinários X-Men 10: de Jeff Lemire e Humberto Ramos

Após revelar que o pequeno grupo de adolescentes perdidos em um futuro apocalíptico constituído por GlobNão-Garota, Anole e Ernst ficou um ano (!) viajando por entre cidadelas, escapando de inúmeras ameaças e sem saberem como retornar à sua realidade, Lemire renova as esperanças do quarteto com a chegada de Tempestade e sua equipe, que precisam enfrentar os 4 Cavaleiros do Apocalipse do local, que inclui seu ex-colega Colossus. O russo foi arremessado para esse futuro com os jovens e, para salvá-los, fica para trás e é capturado pelos asseclas de Apocalipse que, como de praxe, adora transformar um dos X-Men em seu Cavaleiro líder, Guerra. Ramos cria boas cenas da batalha, e vale ressaltar que sua Cérebra no corpo de um Sentinela é muito impressionante. As cores de Edgar Delgado são excelentes com suas bem dosadas luzes e efeitos. Adoro como trabalha os tons dos fundos, criando atmosferas caprichadas para cada ambiente (a propósito, a Panini esqueceu de colocar os créditos aqui). A história ainda traz outra frente narrativa, estrelada por Magia, que parece ter criado um forte vínculo com Sapina. Lemire ainda consegue entregar reviravoltas, diálogos contundentes (pobre Forge…) e uma última página daquelas que pedem para o leitor voltar no mês seguinte. Nota 7,5.

Novíssimos X-Men 9: de Dennis Hopeless e Mark Bagley

Finalmente a equipe entra no mini-evento Guerras Apocalípticas e, como Gênesis faz parte da equipe, nada mais natural que Hopeless foque no jovem clone do próprio Apocalipse. O autor opta por revelar ao leitor os pensamentos de Evan enquanto acontece sua agitada festa de 16 anos, repleta de convidados ilustres, incluindo um Kid Gladiador atacando de DJ. Assim, temos uma bem-vinda recapitulação de sua origem, que certamente terá impacto neste arco. Gostei de ver, também, que o roteirista continuou desenvolvendo os eventos da edição anterior com Hank McCoy. Sem contar muito, Gênesis e o Fera serão enviados ao passado. Não sei como isso se ligará com o que está acontecendo nos outros dois títulos, mas fica claro agora que cada equipe-X está de alguma forma envolvida com o vilão da saga em um período diferente do tempo. Porém, a situação com a qual a dupla se envolve não me pareceu muito interessante, mesmo nesta edição especial com 30 páginas.

Desenhos e cores vibrantes deixam este título um colírio para os olhos

Quanto à arte, Bagley está de volta e sua presença é sempre gratificante. Acho um dos mais competentes desenhistas em atividade para retratar adolescentes e suas constantes crises existenciais, sua vivacidade, as expressões faciais, além claro da sequência narrativa que flui tranquilamente, como é de praxe de um grande veterano. As cores de Nolan Woodard realmente ganham muito mais vida no papel LWCNota 7,0.

Fabulosos X-Men 8: de Cullen Bunn e Ken Lashley

Ken Lashley, o desenhista escalado para ilustrar este arco dos Fabulosos, deve muito aos anos 90, e não necessariamente no bom sentido. Sim, porque os 90 nos quadrinhos norte-americanos mainstream produziu excessos de vários tipos – alguns dos quais o artista não perde a chance de nos lembrar – mas também trouxe obras memoráveis e grandes fases de vários personagens e autores. Expressões faciais frias, corpos com movimento duro, pin ups de bad boys and bad girls no meio da narrativa são alguns exemplos de problemas da arte de Lashley. Certamente há quem goste, mas depois de ver Humberto Ramos e especialmente Mark Bagley nas histórias anteriores, tais características saltam aos olhos. Mesmo não sendo unanimidade, tanto Ramos quanto Bagley são storytellers visuais muito superiores, e contam com aquilo que talvez seja o mais difícil de conseguir criar ao se trabalhar em HQs de super-heróis: um estilo próprio para chamar de seu! É abrir uma das páginas e imediatamente o leitor habitual identifica o nome do desenhista. Lashley é daqueles que ainda está à procura (será?) de uma marca própria. Quanto ao roteiro, novamente temos um autêntico “capítulo intermediário”, mas estou ficando um pouco entediado com os constantes dramas de Psylocke, Magneto e o Anjo/Arcanjo, que parecem não se resolver no tempo certo. A história paralela, com Dentes de Sabre, M eos Novos Morlocks também não empolga, porque o vilão que enfrentam é uma ameaça requentada de histórias esquecíveis da equipe Geração M dos anos… 90! Pelo menos Bunn traz Fantomex, ainda meio que sem uma justificativa muito clara, mas o anti-herói mutante é sempre promessa de algo interessante, especialmente quando encontra Betsy Braddock. Sem dúvida a revista mais fraca do trio de títulos de equipes-X desta Fase da Marvel, mas que ainda pode reencontrar o caminho bacana das primeiras edições após este evento e, com certeza, com outro desenhista. A conferir. Nota 5,0.

Nota Final desta Revista: 6,5.

Rápida Resenha de X-Men #8 – Panini Comics

Segunda edição com histórias da saga Guerras Apocalípticas, um evento restrito aos títulos das equipes-X. Resenha livre de spoilers.

Começa a ser revelado porque há um Anjo e um Arcanjo

Novíssimos X-Men 8: de Dennis Hopeless e Paco Diaz

Após os eventos das últimas edições em Paris, o jovem Hank McCoy, também conhecido como o Fera, ainda na versão humana, está inconformado com a gravidade dos ferimentos de Ciclope. Parece decidido que não dá mais para ele e seus companheiros adolescentes permanecerem no presente. Uma notícia na televisão envolvendo o Doutor Estranho chama a atenção de Hank, que decide pedir auxílio ao Mestre das Artes Místicas para voltar no tempo. Esta é uma história completamente diferente de Novíssimos, um team-up do Fera com Stephen Strange (que por acaso também apareceu na edição #7) e, embora nada muito original, é bem trabalhada por Hopeless, decididamente um roteirista versátil, capaz de imprimir uma voz adequada para personagens bem diferentes, incluindo o mágico. Embora cético, Fera aceita a sugestão do aliado e, ao usar um artefato chamado “O Terceiro Olho do Hórus”, gera diálogos e situações interessantes. Pela primeira vez, o desenhista regular, Mark Bagley tirou uma folga e, em seu lugar, temos o convidado Paco Diaz. Ele e a colorista, Rachelle Rosenberg, criam uma arte agradável e especialmente criativa ao retratar o “mundo místico” e as criaturas que são a ameaça desta ligeira aventura. Tal decisão artística certamente é influência do trabalho de Chris Bachalo nas atuais histórias solo do Doutor Estranho. Ah, sim, Novíssimos X-Men ainda não tem interligação com as Guerras Apocalípticas. Nota 6,5.

Extraordinários X-Men 9: de Jeff Lemire e Humberto Ramos

Segunda parte do arco Guerras Apocalípticas dos Extraordinários, novamente muito bem conduzida por Lemire e Ramos, que pegam o gancho da edição anterior e imediatamente se concentram em revelar o que aconteceu com Colossus e os adolescentes que ficaram “perdidos no futuro”, os exóticos Glob, a Não-Garota, Anole e Ernst. E que viagem! Lemire desenvolve os personagens enquanto os deixa em constantes situações ameaçadoras, em um cenário caótico, povoado por dezenas de raças, mas nenhuma delas mutante. Tempestade e sua equipe pouco aparecem, mas os 4 Cavaleiros do Apocalipse dessa nova realidade futurista, sim. Sem spoilers, mas sem dúvida são verdadeiramente uma surpresa e “totalmente diferentes”. Estava preocupado com mais um futuro distópico dos mutantes, mas este é mesmo único, diferente das versões de Cable, Bishop e Dias de um Futuro… além disso, a aventura dos jovens mutantes é tão bem contada que esse cenário deixa de ser um provável problema e passa a ser, de fato, uma agradável criação. Nota 8,0.

The Kids Are Alright, aren´t they?

Fabulosos X-Men 6.2: de Cullen Bunn e Paco Medina

História curta, que o roteirista usa para mostrar um pouco da repercussão que as ações de Magneto e seus Fabulosos estão gerando, tanto na mídia, quanto para outros mutantes. Gostei do resgate de Valerie Cooper, que foi uma personagem humana coadjuvante recorrente nos anos 90 e andava esquecida pelo editorial. A melhor parte, contudo, é a conversa entre Magneto e Xorn. Esse é um mutante ainda enigmático para mim. Como fiquei um tempo sem acompanhar as revistas X, tenho lacunas de informação mas, pelo que dá para entender, este Xorn, embora poderoso, é mesmo pacifista. Nota 6,0.

Fabulosos X-Men 7: de Cullen Bunn e Ken Lashley

Bunn divide a equipe em duas frentes de ação, aparentemente desconectadas entre si, mas decide começar com um flashback de Magneto daquele período de 8 meses entre o final de Guerras Secretas e o começo da fase Totalmente Diferente Nova Marvel. Esse breve interlúdio e, talvez, este arco inteiro relacionado a Guerras Apocalípticas podem esclarecer algumas das várias subtramas que o autor vem desenvolvendo desde a edição #1. No presente, enquanto Magneto e Psylocke estão no Alabama investigando o surgimento de um jovial Warren Worthington, o Anjo, mas sem asas e pregando em uma Igreja, Dentes de Sabre e M encontram Callisto e os Novos Morlocks, ameaçados por um vilão também associado à saga Era do Apocalipse original, de meados dos anos 90. Na edição anterior também apareceu um desses, mas na aventura dos Extraordinários. Aqui, na verdade, surgem dois! A história tem um ritmo rápido, talvez até demais, mas continua interessante, repleta de mistérios. Ken Lashley parece um artista limitado, especialmente nas feições, mas entrega um bom trabalho em páginas dinamicamente bem construídas. Típico capítulo intermediário de um arco maior, mesmo assim tem um epílogo que retoma a introdução. HQ razoável, um bom passatempo. Nota 6,5.

Nota Final desta Revista: 6,8.

Rápida Resenha de X-Men #7 – Panini Comics

Na capa, chamada para o início da saga Guerras Apocalípticas

Uma saga que interligará os 3 títulos dos X-Men começa nesta edição, que novamente conta com uma história de cada equipe, mais uma extra curta. Resenha livre de spoilers, confira e comente! As “Guerras Apocalípticas” devem durar vários meses.

Novíssimos X-Men 7: de Dennis Hopeless e Mark Bagley

Continuação da aventura dos jovens X-Men em Paris, este título ainda não está interligado com a saga “As Guerras Apocalípticas”. Após o embate com Blob vamos acompanhar, com uma boa dose de desespero, o cativeiro de Ciclope contra outro dos primeiros inimigos da equipe, Groxo. Para os que estão começando a desvendar o enorme contingente de personagens que frequentam as páginas dos mutantes da Marvel, Groxo é, tradicionalmente, um dos vilões menos perigosos de todos os tempos, tendo sido lacaio de Magneto ou faxineiro na Mansão-X. Por isso mesmo, não é corriqueiro que ele se torne uma ameaça, mas a situação criada por Hopeless é interessante, porque possível. Enquanto sofre nas mãos de Groxo – com direito a uma das cenas mais brutais que já vi com um X-Men -, Ciclope usa sua mente estratégica para tentar escapar, mesmo imaginando que o resto da equipe deve estar à sua procura. Bagley continua se destacando, criando sequências tensas, intercaladas com cenas de convivência também muito bem delineadas. Grande parte da qualidade da arte é, sem dúvida, efeito de Nolan Woodard nas cores. Nota 7,5.

Extraordinários X-Men 8.1: de Jeff Lemire e Humberto Ramos

A primeira parte das “Guerras Apocalípticas” é conduzida com categoria por Lemire e Ramos, que trazem de volta um grotesco vilão, eternamente associado à saga da realidade alternativa da Era do Apocalipse, de 1994. Mas, se você desconhece essa história e esse tal vilão, não se preocupe, dá para começar a ler esta revista sem esse backgroundTempestade está planejando os próximos passos de sua poderosa e vasta equipe, em um diálogo bem costurado com o Velho Logan, quando são interrompidos com uma notícia perturbadora: de repente, surgiram 600 novas assinaturas de mutantes em Tóquio. É algo completamente inesperado porque a Névoa Terrígena dos Inumanos tem impedido o surgimento de mutantes no mundo Marvel. Colossus, Cérebra e alguns dos estudantes do Abrigo-X resolvem investigar. A premissa estava interessante, até o epílogo. Na verdade, algo que me preocupa é que esta saga envolverá, pelo jeito, viagens no tempo e versões alternativas de nossos queridos X-Men – o que pode ser muito bom, dependendo da história, mas também pode ser enfadonho, porque é um recurso utilizado inúmeras vezes, inclusive recentemente. Victor Olazaba é um colorista talentoso e ajuda a deixar este título moderno. Vamos aguardar os desdobramentos. Nota 8,0.

Extraordinários X-Men 8.2: de Jeff Lemire e Victor Ibañes

Curta, porém bem desenvolvida história de Magia e Sapina – uma nova personagem que apareceu pela primeira vez na edição #1 – em visita ao Doutor Estranho. É sempre válido quando a editora promove histórias que conectam os X-Men ao resto do Universo Marvel. E nada mais natural do que o Mago Supremo para investigar os dons de Sapina. Este é outro exemplo da competência de Lemire. Em poucas páginas, há ação, grandes revelações, ótimas caracterizações dos personagens e tudo com diálogos bem construídos. Ibañes entrega outro bom trabalho e parece se consolidar como o desenhista escalado para intercalar as HQs dos Extraordinários com Humberto Ramos. Nota 8,0.

O bom Doutor em uma rara aparição no título dos X-Men

Fabulosos X-Men 6: de Cullen Bunn e Ken Lashley

Novo desenhista no título, Lashley é veterano na Marvel e já trabalhou com os mutantes. Não sabemos se ele continuará nos Fabulosos de vez, mas como este é também um capítulo das Guerras Apocalípticas fica a expectativa de que pelo menos cuidará de todo este arco. O foco, como não poderia deixar de ser, já que estamos tratando de uma saga que envolve Apocalipse, é o Anjo, que já foi um de seus Cavaleiros e teve diversas transformações físicas e espirituais desde então. O Anjo atual, é preciso lembrar, é um enigma e Psylocke parece finalmente disposta a desvendá-lo. Há recapitulações da confusa trajetória do herói alado em uma história lenta, que ganha alguma movimentação quando o foco muda para a missão de Monet e Dentes de Sabre, mas nada muito interessante. O clifhanger, contudo, é bem curioso – ponto para Bunn, que parece capaz de reciclar temas tradicionais da mitologia mutante com uma certa criatividade. Nota 6,0.

Nota Final desta Revista: 7,3.

Rápida Resenha de X-Men #6 – Panini Comics

Arte de Humberto Ramos só na capa de X-Men #6

Pela primeira vez nesta série, temos duas aventuras da equipe da Tempestade. Quem ficou de fora foram os Fabulosos de Magneto. Além disso, Humberto Ramos só está na capa, tendo sido momentaneamente substituído em Extraordinários pelo espanhol Victor Ibanez. Confira a resenha da edição de junho de 2017 dos X-Men.

Extraordinários X-Men 6: de Jeff Lemire e Victor Ibanez

Dando sequência ao gancho da edição anterior, acompanhamos a equipe conhecendo o Mundo Bizarro, uma nova região presente na Terra Marvel desde Guerras Secretas (o tie-in que a abordou não foi publicado no Brasil), que é uma conjunção de vários mundos malucos, repletos de magia, populações e criaturas fantásticas. Quem leu Esquadrão Supremo na revista mensal Avante, Vingadores! já sabe do que se trata. E, por falar em Magia, Illyana tem uma participação importante, inclusive desenvolvendo uma aproximação com Sapina, a jovem mutante indiana salva na primeira edição desta revista e que, aparentemente, tem também poderes místicos. Como de praxe, Lemire insere bons momentos de desenvolvimento de todos os personagens – entre grandes amigos, como de Colossus com Logan, ou longe disso, como entre o professor Homem de Gelo e o aluno Anole – ou seria o contrário neste caso? Há também ação, mas não é o mais marcante. É estranho ver esta equipe pela primeira vez com outro traço que não seja o ultra cartunesco de Humberto Ramos, mas Ibanez não é principiante e dá conta de entregar um bom trabalho, embora sem novidades. As criaturas do Mundo Bizarro são interessantes e as cores de Jay David Ramos compõem uma arte de qualidade. Tempestade ganha ótimos momentos e é, definitivamente, a estrela desta série. Nota 7,5.

Extraordinários X-Men 7: de Jeff Lemire e Victor Ibanez

A aventura no Mundo Bizarro continua, agora com outro mutante relativamente famoso  e até então desaparecido desde o “evento do passado que ainda não foi publicado” (que seria Inumanos Versus X-Men), mas desta vez o foco está na tentativa de Tempestade e de Jean Grey em tentar compreender o que deixou Noturno tão assustado e confuso. A estratégia é uma viagem telepática que, embora longe de ser inovadora, aqui rende momentos poderosos de narrativa gráfica, com um final perturbador muito bem conduzido pelo roteirista. Ibanez arrisca mais e a história ganha momentos realmente interessantes. Não sei se termina aqui o segundo arco, mas ficamos com aquela incrível vontade de ler mais – e rapidamente – histórias destes grandes personagens. Nota 8,0.

Novíssimos X-Men 6: de Dennis Hopeless e Mark Bagley

Este capítulo mantém o ritmo intenso da edição anterior, com Blob ainda dando muito trabalho para os jovens X-Men. A batalha gera momentos de tensão, Fera tem um momento de desilusão intelectual muito apropriada e um de seus colegas finalmente mostra que já não é mais o mesmo em uma sequência inesquecível de coragem e poder! Hopeless parece cada vez mais à vontade com os personagens, e resgata um plot que lançou algumas edições atrás para introduzir uma nova ameaça. Esse é um vilão menor e sua presença em Paris está sem explicação, parecendo a princípio extremamente conveniente, ainda mais com Blob no mesmo dia, mas vamos ver como isso será resolvido na próxima edição. Um dos aspectos mais interessantes de Novíssimos X-Men é que o autor está conseguindo trocar o foco entre o vasto elenco a praticamente cada edição. Em um primeiro momento parecia que a estrela seria o jovem Ciclope, mas todos estão ganhando espaço para desenvolvimento, como Idie. Sem dúvida, ter Mark Bagley em ótima fase ajuda também. Nota 8,0.

Nota Final desta Revista: 8,0

Rápida Resenha de X-Men #5 – Panini Comics

Blob Ataca!

Na edição de maio de 2017 da nova revista dos X-Men, o destaque é o confronto entre os Novíssimos e Blob, e o final dos primeiro arcos dos Fabulosos e dos Extraordniários. Resenha com spoilers mínimos – só uma ou outra pequena informação para situar o leitor.

Extraordinários X-Men 5: de Jeff Lemire e Humberto Ramos

O primeiro arco de histórias da equipe da Tempestade conclui com uma grande, longa, convoluta e, às vezes, sem graça batalha contra o Senhor Sinistro e sua última criação: um híbrido disforme e instável de DNA inumano com mutante. Há alguns diálogos bacanas, mas este capítulo serve, sobretudo, para (finalmente) reunir a equipe completa. É interessante destacar que, embora o Velho Logan seja de fato uma atração à parte, sobretudo pelo seu deslocamento temporal em uma época em que o Wolverine original está morto, todos os personagens principais estão passando por transformações significativas. O apelo deste título segue, portanto, na interação entre heróis conhecidíssimos que, por estarem neste momento de transição, os tornam quase completamente estranhos, mesmo para leitores veteranos. É material poderoso para um bom escritor explorar, por isso sigo com grandes expectativas para as próximas histórias. Sobre a arte, fica evidente que as batalhas perdem impacto com Humberto Ramos. Ele tem uma boa narrativa mas o estilo ultra cartunesco não combina com os poderes variados dos X-Men. Nota 7,0.

Fabulosos X-Men 5: de Cullen Bunn e Greg Land

Magneto encara, sozinho e com um protegido à tiracolo, os perigosos Cavaleiros da Tempestade. Vale lembrar que o atual ex-vilão continua com poderes bastante diminuídos, mas mostra efetividade e inteligência, tanto no combate físico quanto no estratégico. Bunn encerra o embate entre as duas equipes de forma brutal e eficiente. O roteirista promove, ainda, um encontro com o grupo da Tempestade. Magneto é o líder deste time e também quem move a história adiante, como prova seu envolvimento com os dois mutantes que até então andavam nas margens deste título e que certamente serão o foco do próximo arco – Mística e Fantomex. Greg Land continua competente e o balanço desta primeira história dos Fabulosos é bastante positivo e, de certa forma, surpreendente. Nota 7,5.

Novíssimos X-Men 5: de Dennis Hopeless e Mark Bagley

Capítulo repleto de ação, bom desenvolvimento de personagens e arte excelente. Mesmo sendo uma parte intermediária de um arco, esta é talvez a melhor história até o momento da equipe com os mais jovens X-Men. Hopeless surpreende com uma caracterização ameaçadora e violenta de Blob, remetendo aos velhos tempos em que ele era perigoso o suficiente para enfrentar um time inteiro de heróis. Mas o melhor é que todos os personagens ganham bons momentos, como a visita de Idie à Notre Dame, os diálogos entre Homem de Gelo e o jovem Apocalipse, a reação do Fera com a praticidade dos apps, a entrega total do Ciclope à ação, com a decisão do Anjo sobre a Wolverine e, sobretudo, à arte caprichada de Mark Bagley, lembrando seus melhores momentos quando cuidava de outras equipes, como os Thunderbolts e os Novos Guerreiros nos anos 90. Mais uma vez ele cria uma splash page dupla poderosa, com os mutantes se digladiando em uma Paris cheia de vida. A equipe criativa Hopeless/Bagley mostra-se afinada. Nota 8,0.

Nota Final desta Revista: 7,5

Resenha de Guerras Secretas X-Men #4 – Panini Comics

A quarta edição especial da Panini estrelando histórias dos X-Men no Mundo Bélico das Guerras Secretas traz uma espécie de continuação da saga Programa de Extermínio, originalmente publicada em 1990 nos EUA e aqui alguns anos depois.

. Volume de Spoilers: Poucos.

X-Tinction Agenda foi o primeiro crossover envolvendo os três títulos mensais de equipes mutantes da época – X-Men, X-Factor e Novos  Mutantes – desenhados em sua maior parte por Jim Lee e Rob Liefeld e que, obviamente, estimulou a Marvel a criar outros eventos similares nos anos seguintes, como A Era de Apocalipse.

Na ocasião, os heróis enfrentam Cameron Hodge, um ciborgue que odeia mutantes e que promove uma chacina na ilha de Genosha, então um país soberano repleto de mutantes. Entre as consequências da X-Tinction Agenda original, Warlock – um alienígena tecnorgânico membro dos Novos Mutantes – foi destruído; Lupina (Rahne Sinclair) tinha ficado presa na forma intermediária de Lobisomen e tanto ela quanto Destrutor (Alex Summers) decidiram permanecer em Genosha para reorganizar e pacificar o país.

Indiretamente, uma consequência desse evento de 1990 é que ele pavimentou a transformação do título dos Novos Mutantes para a X-Force, capitaneado por Rob Liefeld. Por sua vez, essa revista vendeu tanto que estimulou o artista a criar a Image Comics com seus colegas da Marvel, incluindo Jim Lee. Enfim…

Voltando à nossa aventura mais recente, aqui a Panini inseriu a minissérie completa em 4 partes escrita por Marc Guggenheim e desenhada por Carmine Di Giandomenico. O resultado, assim com em outras releituras de sagas mutantes das Guerras Secretas é… uma bagunça!

A história começa retratando uma revolta da população mutante em uma Genosha 10 anos depois do final da saga original. Tanto Destrutor quanto Lupina continuaram na ilha, com auxílio de alguns outros X-Men, como Rictor, Karma e Blindado, este último criado especialmente para esta minissérie.

A revolta é causada por uma praga que está matando a população e deixando as economias de Genosha em um estado de Guerra Civil. Um ponto interessante é que a ilha pertence a um Domínio maior, X-Topia, que engloba outras cidades, todas de mutantes. A capital, Cidade-X, é governada pela Baronesa Fênix (Rachel Grey) e, como é de se esperar, tem seu próprio – e vasto – contingente de X-Men.

A primeira parte da história entrega até uma leitura agradável, levemente promissora, embora com aquele ar repleto de clichês típicos dos anos 90. Porém, conforme revelações vão acontecendo, e os planos para resolver os problemas, se avolumando, em situações tão esdrúxulas quanto tolas, percebe-se que o roteirista se enrolou ao cair na tentação de misturar muitas ideias e personagens em um espaço reduzido.

Em um determinado momento, por exemplo, descobrimos que o Fera desta realidade também fez experimentos com o Fluxo do Tempo e trouxe do passado X-Men mortos – apenas para “provar um ponto” de que isso era possível.

Também soa inverossímil a revelação de um traidor em Genosha, visto que ele tinha uma posição de poder elevada por anos e que ninguém, claro, percebeu. É desse vilão a concepção de dois planos malignos, ambos realmente bizarros pela complexidade e baixa chance de sucesso. Mas ele consegue o duplo feito, claro.

Mas, o pior, realmente, é o final. Sem estragar, basta dizer que o plano que os heróis elaboram para deter um poderoso inimigo é totalmente tolo. Com tanta gente poderosa, a ideia de um “sacrifício” parece gratuita, desnecessária. Se bem que, com a máquina do tempo do Fera, é só voltar uns dias e resgatar os mortos certo?

Quanto à arte, gosto bastante do estilo clean, de corpos longilíneos, de Di Giandomenico. Nas primeiras edições ele até consegue fazer um bom trabalho, mas conforme o roteiro cria novas situações rocambolescas e, principalmente, batalhas incessantes, o desenhista enfrenta dificuldades para dar coerência à narrativa.

As cores de Nolan Woodard também pecam, às vezes, no excesso de brilho. Apesar de tudo, a arte é um ponto positivo na revista. Outro é poder matar saudade, para os mais nostálgicos, de alguns personagens do jeito que eram naquele comecinho da década de 90, em especial, Destrutor, Lupina, Rictor e Vampira. O tal Blindado ganha bastante destaque no final. Há, ainda, uma pequena surpresa na última página, mas por ser uma realidade alternativa, a sensação é inócua.

Completa a edição uma historieta chamada A Última Cartada, de Sina Grace e Ken Lashley, que usa o cenário de Dias de Um Futuro Esquecido para contar um ato heroico – por amor – que envolve Psylocke e um coadjuvante. A trama é simplesmente absurda e um desserviço ao clássico revisitado.

Nota: 4,5.

Rápida Resenha de X-Men #4 – Panini Comics

Um velho vilão dá as caras na capa de X-Men 4

Na edição de abril de 2017, um dos grandes vilões dos mutantes se envolve com a poderosa equipe de Tempestade. Acompanhe nossa resenha livre de spoilers.

Fabulosos X-Men 4: de Cullen Bunn e Greg Land

Bunn prossegue no desenvolvimento de seu plot, narrando situações em 4 localidades diferentes. Em Nova York, temos um prelúdio no Clube do Inferno reunindo dois mutantes que não estão nesta equipe – pelo menos até aqui, mas que haviam aparecido nas edições anteriores e que, aparentemente, estão envolvidos com a tal Corporação Futuro, a organização maligna introduzida no primeiro capítulo desta nova fase e que ainda está envolta em mistérios. No Tibete, Xorn recebe visitantes nada amigáveis, e demonstra ser uma poderosa força à deriva no Universo Marvel. Magneto leva um dos mutantes curandeiros que está protegendo para Genosha, enquanto os vilões que estão caçando esses curandeiros tem um confronto violento com os Fabulosos no Egito. Novamente, Bunn consegue produzir uma história ágil, com interessantes relações entre os personagens, com destaque para Psylocke e Magneto. O gancho final é muito bom, e preciso dizer que estou gostando bastante da arte do Greg Land.  Seu traço está mais elegante, com menos exageros, e sua narrativa, muito boa. Claro que ele se sobressai em uma festa no Clube de Inferno, e tem menos muito menos recursos ao retratar catacumbas no Egito, mas no geral está bem. Acredito que tanto a arte-final de Jay Leisten quanto, sobretudo, as cores de Nolan Woodard contribuem bastante para a qualidade visual desta série. Nota 6,5.

Novíssimos X-Men 4: de Dennis Hopeless e Mark Bagley

Começa um novo arco e desta vez o foco será no casal Laura e Warren, ou seja, na nova Wolverine, e no primeiro Anjo, aquele que veio do passado. É uma escolha adequada, tanto pelo que o autor já havia plantado anteriormente, como pela própria relevância que a ex-X-23 ganhou ao assumir o manto do Wolverine. Laura Kinney está cada vez mais audaciosa e encara desafios e ameaças impetuosamente, se machucando muito no processo e, com isso, incomodando – com razão -, seu jovem namorado. Há ação no Japão, na Califórnia, na Tailândia e, por fim, em Paris, onde a dupla encontra um vilão clássico dos X-Men. Uma grande novidade que este título traz e que condiz com a Fase “Totalmente Diferente”, é que Ciclope, Fera, Homem de Gelo e companhia são frequentemente recebidos como verdadeiros heróis ao redor do mundo. Em termos de arte, Bagley tem bastante espaço para produzir belas cenas de ação, e as cores de Andrew Henessy estão ótimas, acrescentando a necessária vitalidade que esta história pede. O final, ao contrário da edição anterior, é um inesperado cliffhanger. Nota 7,5.

Extraordinários X-Men 4: de Jeff Lemire e Humberto Ramos

Capítulo cheio de ação para a equipe da Tempestade. Após resolverem a ameaça que começou na revista anterior, os X-Men partem para o resgate de alguns colegas, que estão com o vilão destacado na capa, ou seja, o Sr. Sinistro, atualmente emprenhado em realizar experimentos com o DNA de Inumanos e Mutantes. Alguns Carrascos estão ao seu lado, e o inevitável duelo entre os dois grupos traz alguns momentos bacanas, especialmente entre o Velho Logan e seus jovens colegas, além de permitir observar, novamente, como esta Jean Grey é poderosa. Lemire entrega mais um capítulo bem construído, com outro bom cliffhanger. Embora não seja “extraordinário”, há consistência nas histórias e a equipe funciona bem, com todos os personagens com alguma relevância. Ramos tem alguns bons momentos, mas sua arte realmente está (é?) inconsistente. As cores, por outro lado, são um ponto forte. É impressionante a qualidade média elevada que a Marvel têm mantido neste aspecto. O colorista Edgar Delgado acrescenta muita energia e, como agora todas as revistas da Panini tem um papel melhor, com brilho, a revista ganha muito no quesito beleza. Nota 7,0.

Nota Final desta Revista: 7,0