Coleção Essencial Disney

disneyessencial01-abril-27012012
Fazia tempo que não lia algo da Disney, cujas revistas em quadrinhos adorava quando criança e adolescente. Deixei passar a recente coleção “Pateta faz História”, então resolvi apostar nesta nova iniciativa da Editora Abril. E não me arrependi, pelo contrário, curti muito os 3 primeiros volumes e pretendo comprar mais alguns.

Cada edição tem 100 páginas, impressos em um ótimo papel alto-alvura, bem superior ao das revistas comuns, mas no mesmo formatinho de sempre. As cores ficam muito melhores, mais “firmes”, e as capas também estão bonitas, com reserva de verniz. O design das capas e miolo ficou bacana, bem elegante.

Se você achar o preço salgado – R$ 10,00 cada – arrisque ao menos a primeira remessa, em que você leva duas revistas pelo preço de uma. Se gostar, talvez se anime a continuar colecionando ou, quem sabe, comprar somente os títulos que mais lhe interessarem. Algumas bancas e revistarias costumam manter em estoque durante um tempo vários números.

A ideia central da Abril foi compilar histórias selecionadas por “temas clássicos”, isto é, aqueles tópicos comumente associados a certos personagens. Exemplos: “Tio Patinhas e a Moeda Número Um”, “Michey versus Mancha Negra”, “Pateta e seus Antepassados” e assim por diante. Serão, no total, 20 edições semanais. Nos créditos editoriais, observa-se que esta nova coleção é baseada na “Série Oro”, publicada pela Editora El Mundo/Disney na Espanha em 2009.

O volume de estréia, “Tio Patinhas versus Maga Patalójika”, tem 4 histórias, assim como o volume #2, “Donald e Seus Sobrinhos”; o #3, “Os Problemas Domésticos do Pateta”, tem 5 histórias. A editora providenciou todos os créditos, citando inclusive quais já saíram no Brasil e em qual revista, além de uma introdução para cada tema. No geral, metade das histórias dos 3 primeiros volumes eram inéditas.

Realmente me diverti muito lendo estas revistas. Os roteiros são muito interessantes, bem desenvolvidos, e há situações engraçadíssimas. Pessoalmente gosto muito do estilo dos desenhistas italianos, que deixa o Pateta realmente “desengonçado”, e os patos tem movimentos mais vibrantes do que de outros estúdios, como os da Dinamarca. Os quadrinhos dos italianos tem um ritmo dinâmico e há um certo ar de deboche, mas não tanto quanto o dos brasileiros, nos bons tempos em que os Estúdios Disney da Abril eram prolíficos e fizeram a alegria de muita gente nos anos 80 e 90.

O Blog dos Quadrinhos criticou a seleção das histórias, que não seriam das mais clássicas. Realmente, talvez o título da série não seja o mais apropriado, porque o “Essencial” dá idéia de “Histórias indispensáveis”. Pode ser, embora a Abril já tenha lançado outras coleções recentemente com esse foco.

Eu não me incomodei porque as histórias são muito boas e a idéia do Essencial está vinculada aos temas que determinam o foco das histórias para cada edição e, também, porque só os personagens mais populares terão vez. E produções mais recentes como estas, quase todas dos anos 2000 e produzidas pelos estúdios italianos, tem a vantagem de abordarem temas mais contemporâneos como, por exemplo, o celular mágico que a Maga usa para hipnotizar o Patinhas e o Resort de praia do capitalista Patacôncio que não deixa os hóspedes em paz, tamanha a quantidade de atividades e mimos. Quem já foi, certamente vai se identificar com a situação.
Recomendo para fãs novos e antigos. Comprem ao menos os dois primeiros por R$ 10,00, com certeza valem a pena. Leiam e depois decidam se vale investir na coleção.

Revista Grandes Heróis Marvel da Panini

Capa GHM 1 Panini

Lançamento da PANINI com heróis populares e preço menor

Quando ouvi pela primeira vez a notícia de que a Panini iria reeditar um dos títulos mais famosos e bem sucedidos da época em que a Editora Abril cuidava dos heróis Marvel, minha primeira reação foi: “Caramba, demorou!”. Afinal, foi nessa revista que tive a oportunidade de ler algumas das melhores hqs de heróis até então. Eu e uma geração inteira de fãs brasileiros.

Como era trimestral, a espera aumentava a ansiosidade dos leitores e permitia à editora encaixar finais de Sagas ou Minisséries inteiras. No geral, cada edição focava em um grupo ou herói diferente e a história não gerava continuação, isto é, terminava ali mesmo e assim a gente só comprava as revistas que realmente nos interessavam.
A estratégia foi muito bem-sucedida, porque os leitores comentavam sempre sobre esse título nas seções de cartas e uma “aura” surgiu sobre a alta qualidade das histórias que saíam no título.

A primeira série durou muito tempo, de 1983 a 1999 e produziu 66 edições, mas fato é que em seus últimos anos ela estava muito menos impactante, parte também por conta da baixa qualidade geral dos Comics do período. Posteriormente, entre 2000 e 2001 a Abril ainda publicou outras duas séries com o mesmo título, mas completamente diferentes em termos editoriais e duraram pouco tempo. Mas e agora, nesta nova encarnação da Panini?

Na prática a nova revista Grandes Heróis Marvel tem pouca coisa em comum com a versão clássica: é mensal, as histórias seguirão independentes dos demais títulos mas ao mesmo tempo terão continuidade, isto é, não são edições fechadas e, portanto, para ler a história completa será necessário comprar 2 ou mais números.
Apesar do nome talvez ser “inadequado”, frente ao seu histórico, a proposta da Panini agrada.

Os dois pontos fortes certamente são: 1 – heróis populares e 2 – preço.

Na edição de estréia, temos Wolverine e Homem-Aranha, provavelmente os dois personagens mais populares da editora hoje em dia, em uma aventura totalmente desvinculada da cronologia.
Assim, atende a uma das queixas mais comuns de inúmeros leitores sobre a dificuldade de acompanhar as revistas tradicionais devido às complexas cronologias que os personagens trazem. É claro que a editora pode mudar essa tática a partir dos próximos arcos, mas existem muitas opções disponíveis com premissas similares.

A questão do preço precisa no entanto de algumas ressalvas: R$ 5,50 por 50 pgs pode parecer caro, mas é com papel especial, ao contrário dos títulos regulares da editora que custam R$ 6,90 com 30 pgs a mais.
Na verdade, enquanto na revista solo do Wolverine ou do Homem-Aranha, por exemplo, a editora publica 3 histórias, nesta são apenas duas. Mas compensa.

A escolha deste primeiro arco – que vai durar até a edição #3 – é acertada por várias razões: a dupla criativa é formada pelo badalado Jason Aaron, que fez algumas das melhores histórias do Wolverine da última década e é o responsável pela cultuada Scalped da Vertigo, e pelo desenhista veterano Adam Kubert que, apesar de ter trabalhado para a Marvel por muitos anos, teve poucas oportunidades de desenhar o Aranha, e ao mesmo tempo comporta em seu currículo uma memorável passagem pelo título do Wolverine nos anos 90 extremamente popular.

Outra razão para investir neste número #1 é que a história de fato é divertida, despretensiosa, mesmo envolvendo viagens no tempo e fim do mundo. Aranha e Wolverine tem momentos no presente, no tempo dos dinossauros (com direito a tribos de humanos!) e no futuro pós-apocalíptico. A confusão começa com o obscuro vilão Orbe e jóias místicas (ou cósmicas?). Não há muita ação nesta primeira parte, e as razões da confusão no tempo ainda não foram explicadas, mas fica a vontade de ler a próxima edição exatamente porque a história é bem contada e os mistérios, intrigantes. Termina com a revelação de que, aparentemente, um dos grandes vilões do Universo Marvel está envolvido.

Esta aventura foi publicada como uma minissérie bimestral e vendeu apenas razoavelmente nos EUA: cerca de 57 mil unidades do #1, caindo a cada edição (processo padrão no mercado) e terminando com 27 mil unidades pedidas nas comic shops. Foi a partir deste título, cujo nome original é Astonishing Spider Man e Wolverine, que a Marvel passou a utilizar o termo “Astonishing” com aventuras produzidas por equipes top e fora da cronologia atual. Lá já saíram edições do Thor com esse mesmo enfoque.

Clássicos da Marvel, uma lista.

Apenas uma lista – obviamente não é definitiva – com um conjunto de grandes histórias em quadrinhos publicadas pela Marvel. Sem comentários profundos – reviews detalhados poderão ser feitos ao longo do tempo…. enfim, como disse, apenas uma lista. Se servir de ajuda a algum novo leitor ou fã do Universo Marvel já valeu a pena!

Graphic Novels (Álbuns de Luxo):
1. A Morte do Capitão Marvel – de Jim Starlim
2. Triunfo & Tormento, estrelando Dr. Estranho e Dr. Destino – de Roger Stern e Mike Mignola
3. Demolidor de Frank Miller e Bill Sienkiewickz
4. X-Men Deus Ama, o Homem Mata de Claremont e Brent Anderson
5. Surfista Prateado de Stan Lee e Moebius
6. The Last Avengers Story – Peter David
7. Mulher-Hulk – John Byrne

Mini-Séries (também publicadas na forma de Encadernados):
8. Elektra Assassina – Frank Miller e Bill Sienkiewickz
9. Wolverine – Claremont e Frank Miller
10. Guerra Civil – Mark Millar e Steve McNiven
11. Aniquilação – Giffen e Andrea DeVitto
12. Desafio Infinito – Jim Starlim, George Perez e Rom Lim
13. Justiceiro – Steve Grant e Mike Zeck
14. Marvels – Kurt Busiek e Alex Ross
15. Terra X – Alex Ross, Jim Krueger
16. Demolidor o Homem sem Medo – Frank Miller e John Romita Jr.
17. Eternos – Neil Gaiman e John Romita Jr.
18. Inumanos – Paul Jenkins e Jae Lee
19. Marvel Boy – Grant Morrison
20. The Sentry – Paul Jenkins e Jae Lee
21. Os Illuminatti – Brian Bendis e Jim Cheung
22. Squadron Supreme (1984) – Mark Gruenwald e Paul Ryan

Fases (algumas foram posteriormente encadernadas):
23. Alias – Brian Bendis e Michael Gaydos
24. Capitão América – Roger Stern e John Byrne (esta saiu encadernada e comentei aqui no Blog)
25. Capitão América – JM DeMatteis e Mike Zeck
26. Capitão América – Mark Gruenwald (com Paul Neary e outros)
27. Capitão América – Mark Waid e Ron Garney
28. Capitão América – Ed Brubaker e Steve Epting
29. Capitão Marvel – Jim Starlim
30. Capitão Marvel – Peter David e ChrisCross (Genis-Vell)
31. Cavaleiro da Lua – Doug Moench e Bill Sienkiewicz
32. Conan (nas revistas comuns) – Roy Thomas e Barry Windsor Smith
33. Conan (na revista A Espada Selvagem) – Roy Thomas e John Buscema
34. Defensores – Steve Englehart e Sal Buscema
35. Deadpool – Joe Kelly
36. Demolidor – Frank Miller e David Mazzuchelli (ou “A Queda de Murdock“)
37. Demolidor – Brian Bendis e Alex Maleev
38. Demolidor – Frank Miller e Klaus Janson
39. Demolidor – Ann Nocenti e John Romita Jr.
40. Demolidor – Ed Brubaker e Michael Lark
41. Doutor Estranho – Stan Lee e Steve Ditko
42. Doutor Estranho – Roger Stern e Marshall Rogers
43. Doutor Estranho – Steve Gerber e Frank Brunner
44. Fugitivos – Brian K Vaughan e Adrian Alphona
45. Guardiões da Galáxia – Jim Valentino
46. Homem-Aranha – Roger Stern e John Romita Jr.
47. Homem-Aranha – David Michelinie e Todd Mc Farlane
48. Homem-Aranha – Tom de Falco e Ron Frenz
49. Homem-Aranha – Stan Lee, Steve Ditko e John Romita
50. Homem-Aranha Millenium – Brian Bendis e Mark Bagley
51. Homem-de-Ferro – David Michelinie e Bob Layton (com JRJr. e Mark Bagley)
52. Howard o Pato – Steve Gerber
53. Hulk – Peter David e Todd Mc Farlane (OBS: também já comentei sobre o começo aqui no BLOG)
54. Hulk “Professor”– Peter David, com Gary Frank, Dale Kweon e outros
55. Hulk – Roy Thomas e Herb Trimpe
56. Hulk – Bill Mantlo e Sal Buscema
57. Hulk – John Byrne
58. Justiceiro – Mike Baron
59. Justiceiro – Garth Ennis
60. Mestre do Kung Fu – Doug Moench (com Paul Gulacy, Mike Zeck e Gene Day)
61. Micronautas – Bill Mantlo e Michael Golden
62. Nick Fury – de Jim Steranko
63. Novos Guerreiros – Fabian Nicieza e Mark Bagley
64. Novos Mutantes – Chris Claremont com Bob McLeod, Sal Buscema e Bill Sienkiewickz
65. Nova Onda – Warren Ellis e Stuart Immonem
66. Pantera Negra – Christopher Priest
67. Poder Supremo/Esquadrão Supremo – JM Straszinsky e Gary Frank
68. Punho de Ferro – Claremont e Byrne
69. Punho de Ferro – Matt Fraction/Ed Brubaker e David Aja
70. Quarteto Fantástico – John Byrne
71. Quarteto Fantástico – Stan Lee e Jack Kirby
72. Quarteto Fantástico – Walt Simonson
73. Quarteto Fantástico – Mark Waid e Mike Wieringo
74. Rom – Bill Mantlo e Sal Buscema
75. Surfista Prateado – Stan Lee e John Buscema
76. Surfista Prateado – Jim Starlim e Rom Lim
77. Os Supremos – Mark Millar e Bryan Hitch
78. Thor – Walt Simonson (com Sal Buscema)
79. Thor – Stan Lee e Jack Kirby (inclui “Contos de Asgard”)
80. Thor – Dan Jurgens
81. Thunderbolts – Kurt Busiek, Fabian Nicieza e Mark Bagley
82. Thunderbolts – Warren Ellis e Mike Deodato
83. Tropa Alfa – John Byrne
84. Vingadores – Kurt Busiek e George Perez
85. Vingadores – Jim Shooter (inclui “A Saga de Korvac”)
86. Vingadores – Roy Thomas (inclui “A Guerra Kree-Skrull”)
87. Vingadores – Roger Stern
88. Vingadores – Stan Lee (com Jack Kirby e Don Heck)
89. X-Factor – Peter David e Larry Stroman
90. X-Factor – Louise Simonson
91. X-Factor – Peter David (Madrox)
92. X-Force/X-Táticos – Peter Milligan e Mike Allred
93. X-Men – Roy Thomas e Neal Adams
94. X-Men – Chris Claremont e John Byrne
95. X-Men – Chris Claremont, John Romita Jr., Paul Smith, Dave Cockrum
96. X-Men – Claremont, Marc Silvestri e Jim Lee
97. X-Men – Stan Lee e Jack Kirby
98. X-Men – Grant Morrison
99. Surpreendentes X-Men – Joss Whedon e Cassaday
100. Wolverine – Madripoor Claremont/David/Buscema
101. Warlock – Jim Starlim
102. Wolverine – Larry Hama e Marc Silvestri
103. Novos Vingadores – Brian Bendis
104. Hulk – Greg Pak (Planeta Hulk e Guerra Mundial)
105. Guardiões da Galáxia – Dan Abnett e Andy Lanning
106. Hercules – Fred Van Lente e Greg Pak
107. Agentes da Atlas – Jeff Parker
108. Dreadstar – Jim Starlim (selo Epic)
109. Criminal – Ed Brubaker (selo Icon)
110. Powers – Bendis e Avon Oeming (selo Icon)
112. Thor – JMS e Olivier Coipel

Bom, vou “me permitir” editar este post caso acrescente mais alguma coisa que minha memória esteja falhando… abraços.

Clássico Relido: Batman em As Dez Noites da Besta (Editora Abril)

Bem, resolvi inaugurar uma nova sessão no Blog, dedicada às minhas releituras de obras famosas de quadrinhos, heroísticos ou não. A ideia é tentar avaliar se a revista continua sendo tão boa quanto “na época”, isto é, se resistiu bem – ou não – à ação do tempo e da própria evolução do “meio quadrinhos”.

Para inaugurar, selecionei esta história do Batman, enquanto vasculhava minha coleção de revistas nacionais (que não fica no meu apartamento nem na minha cidade…) publicada no Brasil pela Editora Abril há exatos 20 anos (1989), em uma edição encadernada, reunindo as 4 edições das revistas originais (Batman #417-#420). Lembro ainda que foi uma novidade ver uma só história saindo em uma edição volumosa, formato americano e com lombada quadrada.

Aviso: por conta do formato desta análise, há alguns spoilers.

batman-as-dez-noites-da-besta

A História:

A pequena saga, intitulada “As Dez Noites da Besta” foi escrita pelo renomado Jim Starlim e desenhada por Jim Aparo, um dos mais prolíficos artistas do morcego, sendo esta uma de suas últimas colaborações. Não é uma história tida como “clássica” por todos os fãs do personagem ou da DC Comics, mas no geral é citada como referência de boa história e até de bom vilão.
O inimigo é um gigantesco agente da antiga URSS (União Soviética, vocês sabem né? Um dia foi muito importante…) cujo apelido é KGBesta (a KGB era a polícia secreta da URSS) e aqui foi sua primeira aparição. Mestre em várias formas de arte marcial e de armamentos, ele também tinha implantes cibernéticos que aprimoravam sua força e resistência.
A história é simples e bastante linear: com a recente dissolução da URSS, o KGBesta e outro agente são enviados aos EUA para tentar sabotar o mundialmente famoso “Projeto Guerra nas Estrelas”, e passam a matar todos os cientistas e autoridades envolvidas. A trilha dos bandidos chega a Gotham City e, com sucesso, eles vão eliminando todos os alvos. O último é o então presidente americano Ronald Reagan. Batman e o Comissário Gordon se unem ao FBI e à CIA para tentar deter os vilões.

Veredicto: Foi bom de novo?

Sendo bem honesto, não tinha uma memória clara desta aventura; só tinha certeza de que tinha sido “bacana”. Reli duas vezes em alguns dias, tentando analisar o roteiro, os padrões dos diálogos, nuances escondidas… e realmente é um pouco decepcionante, porque é tudo muito simples, com vários clichês. O argumento é bom, como relatei antes, envolvendo o desmanche da URSS, mas o roteiro caminha sem momentos inspirados, as falas parecem escritas no piloto automático, muito diferente de outros trabalhos do Jim Starlim.
O que é bacana mesmo é o KGBesta, que foi um vilão inovador para a – então – requentada e tradicional galeria do Batman: superviolento e totalmente letal, matava sem o menor pudor centenas de pessoas ao longo da saga; não abria a boca para nada irônico e sua máscara, associada ao seu tamanho descomunal, dava um aspecto aterrorizante.
As batalhas também são legais: há muitos confrontos, o Batman é ferido diversas vezes e precisa usar muita força e técnica para nivelar com o adversário.
Já a arte não é muito atraente, mesmo naquela época. O desenhista tinha uma visão ainda light do personagem, e não havia em seu estilo técnicas de narrativa mais modernas e cinematográficas, apesar de algum esforço nesse sentido. Jim Aparo fez trabalhos bem melhores do que este.
Enfim, apesar de distante do perfil de um “clássico absoluto” das HQs, é uma história bastante agradável do Batman; vai depender do quanto o leitor goste de batalhas mais “pé-no-chão” e menos investigação ou planejamento.
Eu realmente ainda acho preferível ler uma história do morcego deste tipo, em que ele é ferido, erra em alguns momentos, se supera e sai por bem no final do que o Batman “super-mega-ultra-infalível” de histórias em que enfrenta e elimina supervilões peso-pesados, ou elabora e executa planos mirabolantes a nível global.
Quanto mais humano e limitado, inteligente e persistente for o morcegão, mais estimulante ele se torna para mim. Logo, gostei da HQ por essa razão, e como passatempo, pelas lutas e pelo novo vilão. Ah, as capas originais do Mike Zeck são maravilhosas, pena que ele não tenha mais trabalhos hoje em dia.

Nota: 7,0.