Nosso primeiro Evento de Quadrinhos será neste sábado, 24.11, participe!

Olá pessoal tudo bem?

Organizamos uma pequena mas muito honesta Feira de HQs que acontecerá neste sábado 24.11 no Colégio Liceu Pasteur, na Vila Mariana, aqui em São Paulo.

Feira de HQs no Liceu

Quem quiser bater um papo com colecionadores de quadrinhos, editores e outros entusiastas, por favor sejam bem-vindos!

O evento será das 9h às 12h30.
Endereço: Rua Mairinque, 256, Vila Mariana (entrada pelo portão lateral da Rua Diogo de Faria).

Vale a pena ainda aproveitar HQs com grandes descontos das Editoras Mythos e Cia. das Letras (Selo Quadrinhos na Cia) que estarão com estandes.

O quadrinista Felipe Folgosi também marcará presença e comentará com pais, alunos e visitantes sobre o processo de criação e produção de uma HQ nacional na atualidade, além de autografar suas próprias obras.

O roteirista Felipe Folgosi

Este será o primeiro de vários eventos que pretendemos realizar em colégios a partir de 2019. Entrada franca.

Sobre o Grande Glauco

Com certeza a primeira vez que ri com o trabalho do Glauco foi em uma tira do Geraldão na FOLHA lá em meados dos anos 80.
Achei bizarro o traço simplista, reto e ao mesmo tempo cheio de vibração, mas achei ainda mais maluco o lance do Geraldão estar pelado e todo injetado hahaha.
Depois fui meio que “aceitando” (lembrem-se crianças, estávamos saindo de uma Ditadura, tudo é contexto!!!) e como também adorava Laerte, Gonsalez e Angeli, vibrei com a chegada da revista Circo e a merecida “consagração” dessa geração de cartunistas de traço sujo, com humor ácido e muitas vezes politizado. Era uma espécie de MAD Tupiniquim, feita por brasileiros e para brasileiros.
“Los 3 Amigos” foi sem dúvida um mega-hit dos quadrinhos nacionais – todos meus amigos, mesmo aqueles que não liam HQs regularmente, ou gostaram muito ou ao menos sabiam do que se tratava – e então, aparentemente, a “sociedade” finalmente reconheceu também a “graça” desse pessoal.
O tempo passou mas sempre que podia ainda lia as tirinhas da Folha (um jornal que caiu muito de qualidade nos últimos anos, na minha opinião, mas deixa pra lá!) do Grande Glauco e seus amigos, mas confesso que já não acompanhava mais sua trajetória.
Não sabia de nada mais sobre vida particular, religiosidade, família, onde morava, etc.
Que sua vida foi grandiosa, isso parece que não há como duvidar.
Torço muito para que sua memória e seu trabalho permaneçam vivos entre todos os fãs de quadrinhos, cartuns e humor, e que continue trazendo graça e inspirando futuros artistas.
Salve Glauco!

Turma da Mônica: Jovem e Forte!

versões manga da tchurma

versões manga da tchurma

Esta não é exatamente uma resenha, e sim um breve comentário.
Li as edições ZERO (capa ao lado) e UM da propagada novidade.
Realmente… gostei muito!
É divertida, o novo estilo de traço – mangá tropicalizado – traz um benvindo frescor à narração e a cada página em que somos (re) apresentados a um personagem temos uma reação diferente. O Louco agora é um Professor? O Capitão Feio atualizou seu nome? O Cebolinha frequenta uma fono? Até o Anjinho tem uma versão adolescente?

Putz, e ainda dei boas risadas com os diálogos. Mesmo!
Excelente a iniciativa do Mauricio de Sousa e equipe.
Há rumores de que as primeiras edições esgotaram e o número QUATRO (aquela do beijo do Cebolinha e da Mônica) teve uma impressão recorde de 400.000 unidades!!!
Enfim, merece a badalação e as enormes tiragens.
Reparei – folheando as últimas edições, a CINCO e a SEIS – que o traço e quadrinização estão ainda mais próximas do estilo mangá, o que é até louvável pois aprofunda a radicalização.
Esse enorme sucesso é bom pro mercado nacional de quadrinhos, que precisava de uma “luz”. Veio de onde talvez menos se esperava… ou não?
E não sei como está funcionando a estratégia da distribuição mas é interessante que todos os números ainda estão disponíveis em livrarias, isto é, não estão “sumindo das bancas”. Legal mesmo.
Fui um leitor voraz na infância e é excelente saber que agora há dois “universos” da turminha nas bancas – o tradicional, que certamente vou apresentar aos meus filhos, e este mais adolescente que, aposto, eles mesmos vão correr atrás.
Parabéns, Mauricio, você fez de novo!