Resenha de Guerras Secretas Capitã Marvel #1 – Panini Comics

Capa com a arte sempre chamativa de Mike Deodato

Retomando as resenhas de todas as edições brasileiras das Guerras Secretas!
Confira nossa opinião sobre a revista solo da Carol Danvers, intitulada Capitã Marvel e a Tropa Carol, que publica a minissérie de uma versão da heroína e um grupo de amigas aviadoras no Mundo Bélico.

Spoilers: mínimos.

Kelly Sue DeConnick fez uma certa fama – sobretudo entre as leitoras – em sua passagem pela revista solo da Capitã Marvel, entre os anos 2013-2015. Graças às suas histórias assumidamente feministas, a personagem ganhou uma nova legião de fãs. Por outro lado, essa fase também trouxe críticos que, basicamente, não concordavam com as mudanças no visual da heroína e no tom das HQs. Em termos comerciais, as vendas do título ainda eram problemáticas, como de resto tem sido para a maioria dos títulos mensais para personagens do 2º escalão ou menos.

Nesta, que seria sua última aventura com a personagem – e também com a Marvel Comics, pelo menos até o momento – DeConnick tem a colaboração de outra importante autora de quadrinhos de heróis da atualidade, Kelly Thompson – que de lá para cá fez o caminho inverso da colega e hoje em dia possui uma enorme quantidade de trabalhos em andamento na editora, alguns muito interessantes como a nova série da Gaviã Arqueira (Kate Bishop).

A arte é do competente e talentoso espanhol David Lopez, que fez lápis, arte-final e cores das 3 primeiras partes e das belíssimas capas principais. Mais uma vez, a Panini esqueceu de mencionar um dos desenhistas, no caso a italiana que cuidou da quarta e última parte da minissérie, Laura Braga.

O título cita uma certa Tropa Carol” (no original, Carol Corps), nome de um fã-clube da personagem que surgiu exatamente durante a fase de Kelly Sue. Ruidoso, o grupo era muito ativo nas redes sociais, tinha correspondência direta com a roteirista e editores, e participava de convenções onde, não raro, as fãs surgiam com caprichados cosplayers de Carol Danvers em várias de suas versões.

Esta revista no mostra os momentos derradeiros de uma versão heroica e poderosa da Capitã Marvel e do Esquadrão Banshee, uma força aérea de elite, responsáveis pela defesa do Domínio chamado Setor Hala.

David Lopez é um ótimo artista, capaz de belas montagens, como destas páginas.

Todas no Esquadrão Banshee são novas personagens, mulheres igualmente heroicas, com grande participação na história e, em sua maioria, pilotos de caças supersônicos (mesma profissão original da Carol Danvers) e – acho que esta informação é pouco conhecida no Brasil – foram inspiradas em membros do fã-clube Carol Corps!

Sim, isso mesmo: algumas das mais fiéis leitoras e defensoras da super heroína viraram personagens da Marvel! Sem dúvida, uma ótima iniciativa e criatividade em termos de relacionamento de uma grande editora com sua base de fãs.

Mas, voltando à revista, uma importante diferença desta versão da heroína com a do universo principal é que esta não tem noção exata da origem alienígena de seus poderes, visto que nas Guerras Secretas de Destino só existe o Mundo Bélico e nada além no Universo, muito menos uma civilização interplanetária guerreira e poderosa como a dos Krees.

A história começa de uma forma interessante, com uma boa interação entre as personagens femininas, que realizam treinos com suas aeronaves em conjunto com a heroína voadora, até que uma missão envolvendo um navio traz um mistério que rapidamente trará uma crise no grupo de amigas.

Esta é uma HQ firmemente ambientada no megaevento, com Thors intercedendo no Domínio e uma obediência geral às ordens de Destino, e sinto que isso não fez muito bem ao conjunto da obra, especialmente na “batalha final” e no epílogo, algo desnecessariamente enigmático e até conveniente, evitando um desfecho redondo. É quase o mesmo recurso de Jason Aaron com sua série Thors – quem leu, vai entender a similaridade.

Uma versão de James Rhodes também participa da aventura

Também incomodam os muitos clichês, em especial as caracterizações excessivamente corretas das personagens do Esquadrão Banshee – cada uma bem diferente das outras (diversidade, ok!) mas todas igualmente cheias de “atitude”; tampouco ajuda que a Baronesa Cochran, a Diretora da organização militar e, portanto, chefe da Capitã e demais pilotos, muda radicalmente de ideia sem nenhuma razão aparente no momento mais conveniente; e sobretudo na batalha “quase equilibrada” contra um time de Thors.

É nítido que as autoras não se esforçaram muito em termos criativos, preferindo jogar com o ambiente mais seguro de sua formação – por exemplo, Kelly Sue foi criada em Bases da Força Aérea americana -, nem tentaram ousar na abordagem ou no roteiro. Não há um personagem que se sobressaia, não há um vilão instigante, nem mesmo um desafio à altura… a história simplesmente conta os momentos finais deste Domínio em uma HQ quase preguiçosa, se não fosse pela arte de David Lopez, certamente o destaque da edição.

Lopez chama nossa atenção há tempos, e aqui logo nas primeiras páginas mostra que caprichou em todos os aspectos: layout, narrativa, arte-final e cores, que acabaram favorecendo um de seus pontos fortes, a variedade de expressões faciais. Não chega a ser memorável, até por conta da história tacanha, mas é sem dúvida eficiente e agradável aos olhos. Pena que ele não foi capaz de concluir o trabalho, porque no último capítulo, com Laura Braga no lápis, a arte perde o fôlego.

Capitã Marvel e a Tropa Carol é um tie-in que se mostrou desnecessário, uma aventura trivial, repleta de clichês, sem uma versão radicalmente diferente, com apenas David Lopez trazendo algo de positivo e a novidade, essa sim bem-vinda, de transformar algumas fãs em personagens. Mas elas e a Carol mereciam uma história melhor.

—-

A revista fecha com uma pequena história de outro personagem. Essa prática da Panini foi comum nesta Saga, e aqui temos um material retirado da revista Secret Wars: Battleworld II, também de 2015, escrita por Ed Brisson – hoje um dos queridinhos da Marvel – e ilustrada por Scott Hepburn com cores de Matt Milla. O protagonista é um Modoc, mas a historieta tenta, tenta, mas não consegue ser engraçada em apresentar uma coletânea de Modocs vilanescos em versões do Homem-Aranha, Motoqueiro Fantasma e Doutor Estranho. Irritante e totalmente descartável.

Nota para Capitã Marvel e a Tropa Carol: 5,0.

Rápida Resenha de X-Men #9 – Panini Comics

O evento Guerras Apocalípticas entra em seu terceiro mês e as equipes mutantes se espalham entre o presente, o passado e o futuro. Resenha praticamente livre de spoilers.

Capa de Ken Lashley com os Novíssimos X-Men

Extraordinários X-Men 10: de Jeff Lemire e Humberto Ramos

Após revelar que o pequeno grupo de adolescentes perdidos em um futuro apocalíptico constituído por GlobNão-Garota, Anole e Ernst ficou um ano (!) viajando por entre cidadelas, escapando de inúmeras ameaças e sem saberem como retornar à sua realidade, Lemire renova as esperanças do quarteto com a chegada de Tempestade e sua equipe, que precisam enfrentar os 4 Cavaleiros do Apocalipse do local, que inclui seu ex-colega Colossus. O russo foi arremessado para esse futuro com os jovens e, para salvá-los, fica para trás e é capturado pelos asseclas de Apocalipse que, como de praxe, adora transformar um dos X-Men em seu Cavaleiro líder, Guerra. Ramos cria boas cenas da batalha, e vale ressaltar que sua Cérebra no corpo de um Sentinela é muito impressionante. As cores de Edgar Delgado são excelentes com suas bem dosadas luzes e efeitos. Adoro como trabalha os tons dos fundos, criando atmosferas caprichadas para cada ambiente (a propósito, a Panini esqueceu de colocar os créditos aqui). A história ainda traz outra frente narrativa, estrelada por Magia, que parece ter criado um forte vínculo com Sapina. Lemire ainda consegue entregar reviravoltas, diálogos contundentes (pobre Forge…) e uma última página daquelas que pedem para o leitor voltar no mês seguinte. Nota 7,5.

Novíssimos X-Men 9: de Dennis Hopeless e Mark Bagley

Finalmente a equipe entra no mini-evento Guerras Apocalípticas e, como Gênesis faz parte da equipe, nada mais natural que Hopeless foque no jovem clone do próprio Apocalipse. O autor opta por revelar ao leitor os pensamentos de Evan enquanto acontece sua agitada festa de 16 anos, repleta de convidados ilustres, incluindo um Kid Gladiador atacando de DJ. Assim, temos uma bem-vinda recapitulação de sua origem, que certamente terá impacto neste arco. Gostei de ver, também, que o roteirista continuou desenvolvendo os eventos da edição anterior com Hank McCoy. Sem contar muito, Gênesis e o Fera serão enviados ao passado. Não sei como isso se ligará com o que está acontecendo nos outros dois títulos, mas fica claro agora que cada equipe-X está de alguma forma envolvida com o vilão da saga em um período diferente do tempo. Porém, a situação com a qual a dupla se envolve não me pareceu muito interessante, mesmo nesta edição especial com 30 páginas.

Desenhos e cores vibrantes deixam este título um colírio para os olhos

Quanto à arte, Bagley está de volta e sua presença é sempre gratificante. Acho um dos mais competentes desenhistas em atividade para retratar adolescentes e suas constantes crises existenciais, sua vivacidade, as expressões faciais, além claro da sequência narrativa que flui tranquilamente, como é de praxe de um grande veterano. As cores de Nolan Woodard realmente ganham muito mais vida no papel LWCNota 7,0.

Fabulosos X-Men 8: de Cullen Bunn e Ken Lashley

Ken Lashley, o desenhista escalado para ilustrar este arco dos Fabulosos, deve muito aos anos 90, e não necessariamente no bom sentido. Sim, porque os 90 nos quadrinhos norte-americanos mainstream produziu excessos de vários tipos – alguns dos quais o artista não perde a chance de nos lembrar – mas também trouxe obras memoráveis e grandes fases de vários personagens e autores. Expressões faciais frias, corpos com movimento duro, pin ups de bad boys and bad girls no meio da narrativa são alguns exemplos de problemas da arte de Lashley. Certamente há quem goste, mas depois de ver Humberto Ramos e especialmente Mark Bagley nas histórias anteriores, tais características saltam aos olhos. Mesmo não sendo unanimidade, tanto Ramos quanto Bagley são storytellers visuais muito superiores, e contam com aquilo que talvez seja o mais difícil de conseguir criar ao se trabalhar em HQs de super-heróis: um estilo próprio para chamar de seu! É abrir uma das páginas e imediatamente o leitor habitual identifica o nome do desenhista. Lashley é daqueles que ainda está à procura (será?) de uma marca própria. Quanto ao roteiro, novamente temos um autêntico “capítulo intermediário”, mas estou ficando um pouco entediado com os constantes dramas de Psylocke, Magneto e o Anjo/Arcanjo, que parecem não se resolver no tempo certo. A história paralela, com Dentes de Sabre, M eos Novos Morlocks também não empolga, porque o vilão que enfrentam é uma ameaça requentada de histórias esquecíveis da equipe Geração M dos anos… 90! Pelo menos Bunn traz Fantomex, ainda meio que sem uma justificativa muito clara, mas o anti-herói mutante é sempre promessa de algo interessante, especialmente quando encontra Betsy Braddock. Sem dúvida a revista mais fraca do trio de títulos de equipes-X desta Fase da Marvel, mas que ainda pode reencontrar o caminho bacana das primeiras edições após este evento e, com certeza, com outro desenhista. A conferir. Nota 5,0.

Nota Final desta Revista: 6,5.

Rápida Resenha de X-Men #8 – Panini Comics

Segunda edição com histórias da saga Guerras Apocalípticas, um evento restrito aos títulos das equipes-X. Resenha livre de spoilers.

Começa a ser revelado porque há um Anjo e um Arcanjo

Novíssimos X-Men 8: de Dennis Hopeless e Paco Diaz

Após os eventos das últimas edições em Paris, o jovem Hank McCoy, também conhecido como o Fera, ainda na versão humana, está inconformado com a gravidade dos ferimentos de Ciclope. Parece decidido que não dá mais para ele e seus companheiros adolescentes permanecerem no presente. Uma notícia na televisão envolvendo o Doutor Estranho chama a atenção de Hank, que decide pedir auxílio ao Mestre das Artes Místicas para voltar no tempo. Esta é uma história completamente diferente de Novíssimos, um team-up do Fera com Stephen Strange (que por acaso também apareceu na edição #7) e, embora nada muito original, é bem trabalhada por Hopeless, decididamente um roteirista versátil, capaz de imprimir uma voz adequada para personagens bem diferentes, incluindo o mágico. Embora cético, Fera aceita a sugestão do aliado e, ao usar um artefato chamado “O Terceiro Olho do Hórus”, gera diálogos e situações interessantes. Pela primeira vez, o desenhista regular, Mark Bagley tirou uma folga e, em seu lugar, temos o convidado Paco Diaz. Ele e a colorista, Rachelle Rosenberg, criam uma arte agradável e especialmente criativa ao retratar o “mundo místico” e as criaturas que são a ameaça desta ligeira aventura. Tal decisão artística certamente é influência do trabalho de Chris Bachalo nas atuais histórias solo do Doutor Estranho. Ah, sim, Novíssimos X-Men ainda não tem interligação com as Guerras Apocalípticas. Nota 6,5.

Extraordinários X-Men 9: de Jeff Lemire e Humberto Ramos

Segunda parte do arco Guerras Apocalípticas dos Extraordinários, novamente muito bem conduzida por Lemire e Ramos, que pegam o gancho da edição anterior e imediatamente se concentram em revelar o que aconteceu com Colossus e os adolescentes que ficaram “perdidos no futuro”, os exóticos Glob, a Não-Garota, Anole e Ernst. E que viagem! Lemire desenvolve os personagens enquanto os deixa em constantes situações ameaçadoras, em um cenário caótico, povoado por dezenas de raças, mas nenhuma delas mutante. Tempestade e sua equipe pouco aparecem, mas os 4 Cavaleiros do Apocalipse dessa nova realidade futurista, sim. Sem spoilers, mas sem dúvida são verdadeiramente uma surpresa e “totalmente diferentes”. Estava preocupado com mais um futuro distópico dos mutantes, mas este é mesmo único, diferente das versões de Cable, Bishop e Dias de um Futuro… além disso, a aventura dos jovens mutantes é tão bem contada que esse cenário deixa de ser um provável problema e passa a ser, de fato, uma agradável criação. Nota 8,0.

The Kids Are Alright, aren´t they?

Fabulosos X-Men 6.2: de Cullen Bunn e Paco Medina

História curta, que o roteirista usa para mostrar um pouco da repercussão que as ações de Magneto e seus Fabulosos estão gerando, tanto na mídia, quanto para outros mutantes. Gostei do resgate de Valerie Cooper, que foi uma personagem humana coadjuvante recorrente nos anos 90 e andava esquecida pelo editorial. A melhor parte, contudo, é a conversa entre Magneto e Xorn. Esse é um mutante ainda enigmático para mim. Como fiquei um tempo sem acompanhar as revistas X, tenho lacunas de informação mas, pelo que dá para entender, este Xorn, embora poderoso, é mesmo pacifista. Nota 6,0.

Fabulosos X-Men 7: de Cullen Bunn e Ken Lashley

Bunn divide a equipe em duas frentes de ação, aparentemente desconectadas entre si, mas decide começar com um flashback de Magneto daquele período de 8 meses entre o final de Guerras Secretas e o começo da fase Totalmente Diferente Nova Marvel. Esse breve interlúdio e, talvez, este arco inteiro relacionado a Guerras Apocalípticas podem esclarecer algumas das várias subtramas que o autor vem desenvolvendo desde a edição #1. No presente, enquanto Magneto e Psylocke estão no Alabama investigando o surgimento de um jovial Warren Worthington, o Anjo, mas sem asas e pregando em uma Igreja, Dentes de Sabre e M encontram Callisto e os Novos Morlocks, ameaçados por um vilão também associado à saga Era do Apocalipse original, de meados dos anos 90. Na edição anterior também apareceu um desses, mas na aventura dos Extraordinários. Aqui, na verdade, surgem dois! A história tem um ritmo rápido, talvez até demais, mas continua interessante, repleta de mistérios. Ken Lashley parece um artista limitado, especialmente nas feições, mas entrega um bom trabalho em páginas dinamicamente bem construídas. Típico capítulo intermediário de um arco maior, mesmo assim tem um epílogo que retoma a introdução. HQ razoável, um bom passatempo. Nota 6,5.

Nota Final desta Revista: 6,8.

Análise Crítica da Coleção Histórica Marvel Mestre do Kung Fu #2

Homem-Aranha conhece Shang-Chi

Prosseguindo com um comentário para cada história de cada Volume da nova Coleção Histórica Marvel, que traz para o Brasil, pela primeira vez, as aventuras de Shang-Chi em ordem cronológica e em formato original americano, sem as famigeradas adaptações da Abril e de outras editoras. Leia e saiba mais sobre como o gênero das artes marciais era tratado pela Marvel naquele contexto histórico.

. Nível de Spoilers: de leves a moderados. São histórias antigas dos anos 70, mas não conto desfechos, tampouco revelações bombásticas.

Pelo que ouvimos de outras fontes, a Panini já garantiu que, além destes 4 primeiros volumes, outros 4 estão confirmados. Isso provavelmente vai cobrir todas as edições ilustradas por Paul Gulacy, o que é uma excelente notícia.

No geral, vamos ver se o próximo Volume da coleção vai melhorar o nível médio de histórias, porque este foi bastante irregular, como vocês verão a seguir.

1. Golpe de Mestre!
Roteiro: Len Wein / Desenhos: Ross Andru
Arte-Final: Al Milgrom / Cores: G. Wein
Edição original: Giant-Size Spider-Man #2 (out/1974)

Homem-Aranha também precisa enfrentar artes marciais no traço de Ross Andru

Realmente, é louvável o trabalho da Panini com esta Coleção, porque está incluindo não somente as histórias solo de Shang-Chi, mas também suas participações especiais como “convidado” em HQs de outros personagens, na mesma sequência que saiu lá nos EUA.

Como era de se esperar, haveria um encontro com o Homem-Aranha logo, porque ambos os heróis atuavam em Nova York e combatiam o crime nas ruas. Além disso, o aracnídeo já era, desde o final dos anos 1960, o carro-chefe da editora e caminhava rapidamente para se transformar em um ícone mundial. Uma associação com o alter ego de Peter Parker seria, portanto, comercialmente interessante para qualquer novo personagem da Marvel ganhar visibilidade.

Com roteiro de Len Wein, um dos nomes mais importantes daquela década na “Casa das Ideias” – falecido recentemente; e arte de Ross Andru, um artista fortemente inspirado pelo trabalho de Gil Kane, “Golpe de Mestre!” é dividida em capítulos, como nas demais edições do tipo Giant-Size da época, e traz os heróis se estranhando em um primeiro momento e, depois de algumas situações, percebem que o melhor é unir forças contra os verdadeiros bandidos. Enfim, o modus operandi clássico de um team-up Marvel.

Vale a pena ressaltar que naquele momento da cronologia, o Homem-Aranha era considerado uma ameaça pela polícia e por boa parte da população, sofrendo uma violenta campanha negativa do Clarim Diário. Isso ajudava na construção da desconfiança mútua entre dois personagens que ainda não haviam se encontrado.

É uma aventura leve, onde o maior apelo é sem dúvida a união entre os heróis e, talvez, tenha sido relevante principalmente para Shang-Chi não só conhecer um combatente do crime superpoderoso, mas sobretudo por conquistar sua confiança.

No Volume #1, ele fez um team-up quase involuntário com o Homem-Coisa, que é o oposto em todos os sentidos do falastrão e jovem Aranha. A propósito, Parker deveria ter a mesma idade do Shang, entre 19 e 20 anos. A dupla voltaria a se encontrar em outras ocasiões (e em histórias bem melhores) ao longo das décadas seguintes como grandes aliados.

Novamente, o vilão escolhido é o Dr. Fu Manchu e há dezenas de guerreiros do Si-Fan – o exército de assassinos e devotos fanáticos de Manchu – no caminho dos heróis. A arte de Andru é simples, com alguns enquadramentos estranhos, que traz uma impressão de ter sido feita às pressas. Ah, não julgue (muito) as cores amarelas dos personagens orientais: era o padrão da época e ninguém parecia se importar.

Memorável é a reação do Homem-Aranha quando Shang-Chi revela o nome de seu pai, que era famoso na literatura americana popular (não dentro do Universo Marvel):

“Doutor Fu Man… QUEM? Ei, você está falando sério? Quer dizer… Fu Manchu é só um personagem de ficção… não é?”.
“Se ele é, Homem-Aranha, então eu também sou…”

Uma brincadeira metalinguística bacana!

No mais, mesmo sendo uma história absolutamente mediana e descartável, foi legal preencher mais um pequeno pedaço da cronologia do Universo Marvel com este histórico Team-Up.
Nota: 6,0.

2.Temporada de Vingança…
Roteiro: Doug Moench / Desenhos: Ron Wilson
Arte-Final: Al Milgrom / Cores: Stan Goldberg
Edição original: Master of Kung Fu #21 (out/1974)


Continuação direta de “Arma da Alma” (a penúltima HQ do Volume #1 desta Coleção) com o pretenso chefe do crime de Miami, Demmy Marston.

Ron Wilson era um desenhista bastante limitado, escalado pela Marvel em geral como fill-in, ou seja, uma espécie de reserva de um artista principal que não conseguiu produzir algo no prazo.

Ele entregava personagens quadrados, duros, com pouca expressividade facial e pouquíssimos detalhes de cenários, embora tivesse os bons fundamentos da narrativa em quadrinhos. Talvez seu maior momento na história da editora seria sua associação com um outro personagem: o Coisa.

Isso porque ele aprimoraria seu estilo “quadrado” e conseguiria ilustrar boas histórias de Ben Grimm, tanto nas edições que ele estrelou do título de parcerias Marvel Two-in-One, quanto na sua revista solo, escrita por John Byrne em meados dos anos 1980.

Voltando à história, Shang-Chi tinha acabado de enfrentar o samurai Korain e, por isso mesmo, ainda estava nos arredores de Miami. Intrigado com um parque aquático, decide invadi-lo à noite para entender melhor o seu “conceito”. Logo a ação começa.

Chi enfrenta mercenários armados – como eles descobriram que seu alvo estava justamente naquele parque aquático tão rapidamente é um grande furo do roteiro – mas, sem dúvida, a grande “atração” deste capítulo é o momento de sua luta submarina contra um tubarão! Claro que Doug Moench não iria perder esta chance, não? A luta é impagável, um belo exemplar do “impossível que diverte”, daqueles que só encontramos mesmo nos quadrinhos.

No mais, acontecem outras duas cenas marcantes: nosso herói é brutalmente espancado (torturado seria a palavra mais adequada) e há um plot twist bacaninha que permite um final inesperado.
Nota: 5,5.

3. Biscoito da Morte!
Roteiro: Doug Moench / Desenhos: Paul Gulacy
Arte-Final: Dan Adkins / Cores: Petra Goldberg
Edição original: Master of Kung Fu #22 (nov/1974)

Esta boa história começa em um restaurante chinês, novamente com nosso herói atuando em Nova York.

Paul Gulacy está de volta e capricha nos detalhes das cenas no aconchegante restaurante: nas roupas dos frequentadores, na maquiagem e no corte do cabelo das belas, elegantes mulheres, e nos objetos cuidadosamente pesquisados que preenchem todos os espaços dos quadros, criando um ambiente intimista e moderno.

A primeira página é linda, um belo exemplo de como a Marvel era capaz de entregar quadrinhos de super-heróis diferentes, fugindo do lugar-comum de maneira às vezes singela.

Como era de se esperar, Shang-Chi não terá a paz que almejava encontrar nesta pequena fração da sua China natal. As lutas coreografadas por Gulacy tem mesmo uma qualidade única, superior, retendo o olhar do leitor por mais do que um mero instante para cada gesto, cada postura, cada golpe aplicado e seu impacto.

Fu Manchu, Sir Denis
Black Jack Tarr novamente participam desta história de argumento simples, mas eficiente, muito bem desenhada, com cores atraentes, repleta de batalhas excelentes e uma surpresa final.
Nota: 7,5.

4. O Triunfo do Doutor do Mal
Roteiro: Doug Moench / Desenhos: Paul Gulacy
Arte-Final: Jack Abel / Cores: Petra Goldberg
Edição original: Giant-Size Master of Kung Fu #2 (dez/1974)

Nesta segunda edição “gigante” do personagem, Doug Moench e Paul Gulacy entregam um verdadeiro épico, com certeza o ponto alto deste Volume. Parece um bom filme de ação e espionagem de James Bond no auge da Guerra Fria, com heróis e vilões únicos, com papéis claramente bem definidos e marcantes.

Como nas outras edições especiais Giant-Size típicas da Marvel, a história é dividida em capítulos, o que amplifica a sensação de estarmos diante de uma saga, e não uma HQ comum.

Perambulando por NYC, Shang-Chi conhece uma bela mulher que, ao que parece, é dona de um Dojô. Descolada, convida nosso herói para jantar e os dois engatam uma boa conversa.

“Estou feliz em te conhecer Shang-Chi.”
“Prefiro estas últimas palavras, Sandy, pois elas refletem as palavras em minha mente… e, neste momento, minha mente se enche de magia.”

Sim senhor, são raros momentos de paz e romance para nosso incansável lutador.

Logo, porém, Chi é interrompido por Sir Denis Smith, que lhe confia mais uma missão secreta. É uma tarefa diferente, embora seja também um dos grandes clichês do gênero da espionagem: um cientista inimigo (chinês), quer mudar de lado e nosso bom herói deve resgatá-lo.

A caminho da China, muita ação a bordo do avião e, logo que chega nas ruas da capital de sua terra natal, mais batalhas contra outros artistas marciais. Gulacy aproveita a chance e esbanja técnicas de ponto de fuga na criação dos prédios e casas chinesas.

A história apresenta ainda uma sequência realmente inacreditável de combate nas ruas e becos desta grande cidade oriental. Além disso, o roteiro trará muitos outros desafios e algumas reviravoltas, um dos primeiros clássicos absolutos do personagem que, sem ter qualquer superpoder, demonstra uma capacidade impressionante de feitos impossíveis.

A esta altura muito mais seguro de sua arte, Gulacy encara o tour de force com splash pages inesperadas, criativas, além de uma quadrinização que remete muito ao trabalho de Jim Steranko com outra HQ de espionagem da Marvel, Nick Fury.

No geral, há uma fluidez entre roteiro e arte que a tornam uma história em quadrinhos com pegada moderna – difícil de acreditar que foi produzida há mais de 40 anos!

E, para consagrar, há em um detalhe do roteiro uma enorme crueldade com nosso jovem Shang-Chi. Sem dúvida, uma edição inesquecível.
Nota: 9,0.

5. Rio da Morte
Roteiro: Doug Moench / Desenhos: Al Milgrom
Arte-Final: Klaus Janson / Cores: L. Lessmann
Edição original: Master of Kung Fu #23 (dez/1974)

Opa, uma aventura na América do Sul!

Sir Denis e Black Jack levam Shang-Chi a um passeio pelo Rio Amazonas e arredores para investigar uma suposta parceria entre um nazista foragido e Fu Manchu.

Nesta HQ, talvez pela primeira vez na série, o preconceito contra asiáticos é tratado de forma contundente.

Wilhem Butcher é descrito como o oficial mais leal do 3º Reich. Vale lembrar que tal premissa é baseada em fatos históricos, porque no pós 2ª Guerra Mundial, muitos ex-oficiais, soldados e simpatizantes nazistas procuraram mesmo refúgio em países da América do Sul, como Brasil, Argentina e Chile.

Claro, a maioria queria só recomeçar a vida e escapar da prisão na Europa, e não organizar um exército para ações terroristas, mas isso também aconteceu, e na região amazônica! Confiram uma reportagem recente sobre isso aqui.

Uma das características desta série tem sido os confrontos de Chi contra animais poderosos. Já vimos um gorila, um tubarão, alguns leopardos e agora, finalmente, um jacaré – aqui erroneamente chamado (ou traduzido) de crocodilo.

Al Milgron é agora o desenhista, após vários meses cuidando da arte-final, e faz um trabalho melhor que Ron Wilson, especialmente com sua cuidadosa montagem das lutas, mas ainda bem inferior ao incrível Paul Gulacy. Em um momento ele produz uma splash page dupla com resultados insatisfatórios: não somente na composição sem graça, mas alguns desenhos foram feitos muito pequenos que, ao serem ampliados, ficaram com uma qualidade grosseira do traço.

História com um plot twist bizarro, que deixa aparentemente sem sentido uma série de fatos. Ainda assim é curiosa, vamos ver a conclusão na próxima edição.
Nota: 6,0.

6. Massacre na Amazônia!
Roteiro: Doug Moench / Desenhos: Al Milgron, Jim Starlin, Alan Weiss, Walt Simonson
Arte-Final: Sal Trapani / Cores: P. Goldberg
Edição original: Master of Kung Fu #24 (jan/1975)

Nesta segunda parte da aventura contra nazistas na Amazônia, os créditos da arte ficam a cargo de 4 desenhistas diferentes, certamente convocados para concluir o trabalho a tempo.

O fato curioso é que, além de Al Milgron, os demais virariam grandes estrelas dos quadrinhos nas décadas seguintes, como Alain Weiss e Walt Simonson, além do próprio criador do personagem, Jim Starlin, que retorna meio sem-querer ao título. Coisas da produção industrial e um mercado totalmente dependente da distribuição para bancas de jornais e lojas de conveniência dos anos 1970, onde a revista tinha que ser finalizada de qualquer jeito.

O resultado é exatamente o que se esperaria, isto é, irregular, abaixo da média do padrão deste título.

A história é, essencialmente, o detalhamento da batalha cuja montagem foi orquestrada no capítulo anterior, entres os exércitos do nazista Wilhem Butcher, e os Si-Fan de Fu Manchu.

Embora tenha bons momentos, uma breve análise da trama confirma a suspeita que o plot é, simplesmente, estapafúrdio!

Basicamente, um grupo atraiu o outro para um confronto arriscado nos confins da selva com grandes chances de se dizimarem… sendo que os nazistas tinham um ás na manga que dispensaria completamente a aliança com Fu Manchu! E porque Sir Denis é convidado ao esconderijo pelo próprio Butcher?

Outra coisa que incomoda, aí analisando não somente estas duas partes mas sim o grande arco da série até o momento, é como Black Jack e, sobretudo, Sir Denis, parecem incompetentes e quase completamente descartáveis.

Está certo que é a estrela da revista, mas Chi é muito mais capaz que a dupla, mesmo sendo bem mais jovem e sabendo pouco sobre os planos, os locais e adversários e resolvendo tudo no improviso. Está na hora de ver os britânicos serem minimamente eficientes, pessoal!
Nota: 4,5.

7. Rituais de Coragem, Punhos da Morte!
Roteiro: Doug Moench / Desenhos: Paul Gulacy
Arte-Final: Sal Trapani / Cores: Bill Mantlo
Edição original: Master of Kung Fu #25 (fev/1975)

Gulacy retoma na última história deste segundo Volume. Nosso trio de heróis continua na Amazônia mas aqui temos uma aventura à parte, até com um argumento diretamente ligado à guerra travada anteriormente, mas é de fato uma história solo de Shang-Chi, que se vê envolvido com uma tribo de índios hostis chamada Jivaro.

História rápida, com uma trama simples, é onde acontece a “famosa” cena do Chi mordendo – e quebrando com os dentes! – uma espada.

Em defesa do argumentista, digamos que não fica claro como a tal espada foi parar ali, já que os Jivaro parecem ser uma tribo bem primitiva, incapaz de produzir uma espada como aquela – talvez estivesse na tribo há anos, colhida de um inimigo branco e já deteriorada e enferrujada pela ação do tempo e da natureza?

É engraçado analisar a capa: para o desenhista (acho que ali foi o Al Milgron), eles eram tão primitivos que usavam… tacapes? Espera um pouco, eram neandertais ou índios amazônicos? E porque eles são brancos se Chi é pintado de amarelo?

Particularmente tais fatos não chegam a me incomodar por conta do contexto histórico, mas não há nada de marcante mesmo nesta edição, com os índios sendo tratados de forma bastante superficial e clichê, embora tenha um final razoavelmente interessante.

Ah, sim, vamos incluir na lista de animais derrotados pelo Mestre do Kung Fu uma bela onça-pintada!
Nota: 6,0.

Análise Crítica da Coleção Histórica Marvel Mestre do Kung Fu #1

Capa do Volume 1 da Coleção Histórica Marvel com o Mestre do Kung Fu

Decidi comentar cada história deste grande lançamento da Panini, que promete trazer, na ordem cronológica, a republicação das HQs clássicas do Mestre do Kung Fu dos anos 1970. Vale ressaltar que esta é a primeira vez que estas histórias em quadrinhos saem no Brasil no formato original americano, sem cortes ou adaptações.

. Nível de Spoilers: de leves a moderados. São histórias clássicas, portanto não há necessidade de tratá-las como “segredo de estado”, mas mesmo assim evito desfechos ou revelações bombásticas.

Shang-Chi sempre foi um dos meus personagens favoritos da Marvel. Por alguma razão estranha, tenho um certo apreço pelo gênero kung fu, mas o que me atraía no herói sino-americano é que, em suas melhores histórias, enfrentava uma galeria de coadjuvantes e vilões intrigantes – embora quase sempre unidimensionais -, com roteiros que remetiam aos filmes de James Bond, com uma pitada de noir.

Após um longo período em que a Marvel estava impedida de republicar esta ótima fase, por uma falta de acordo sobre os direitos autorais de personagens que não são da Marvel, e sim do espólio de Sax Rohmer – tais como o maior inimigo do herói, nada mais nada menos do que o Dr. Fu Manchu; a partir de 2016, com essa pendenga resolvida, a editora iniciou um cuidadoso projeto de restauração e edição de encadernados – Hardcovers e Omnibuses – que agora chega ao Brasil em um formato bem mais modesto, em uma série de 4 volumes da já tradicional Coleção Histórica, com capa cartão e papel off-set.

Caso as vendas sejam boas, o personagem ganhará novas edições, com a sequência cronológica original.

1. Shang-Chi, o Mestre do Kung Fu!
Roteiro: Steve Englehart / Desenhos: Jim Starlin
Arte-Final: Al Milgrom / Cores: Steve Englehart
Edição original: Special Marvel Edition #15 (dez/1973)

Capa com a primeira HQ de Shang Chi

Englehart já era um nome importante no time Marvel, mas Starlin, em 1973, ainda era iniciante e, como aconteceu com outros grandes futuros quadrinistas autorais, no começo só desenhava. Mas, por este trabalho, percebe-se claramente que ele já era um artista pronto, ainda mais finalizado pelo sempre competente Al Milgrom. Uma curiosidade: é a primeira vez que vejo Englehart com o crédito também nas cores. Contudo, a decisão de pintar de amarelo ou laranja os personagens orientais não foi uma escolha pessoal. Por mais preconceituoso que nos pareça isso hoje em dia, naquela época esse era o padrão da indústria americana.

Shang-Chi foi concebido, portanto, por um time criativo de alto nível, mas sua estreia foi em uma revista bimestral menor, usada pela Marvel para testar novos personagens e, de certa forma, também novos artistas. Eram os primeiros anos da “febre” do Kung Fu e outras artes marciais nos EUA.

Assim, como o título entrega, nesta primeira história somos apresentados ao protagonista e sua origem, estabelecendo que Shang-Chi era filho do Dr. Fu Manchu, – um então famoso vilão da literatura pulp fiction, criado pelo escritor Sax Rohmer no início do século XX -, que cuidou de seu treinamento pessoalmente ou supervisionando o trabalho de mestres por ele contratados desde seus primeiros anos, em Honan, na China.

Contrabandista de armas e escravos, Fu Manchu é super inteligente, culto, messiânico, líder do Si-Fan, uma sociedade secreta com um exército à sua disposição e deseja, simplesmente, derrubar o mundo ocidental. Com muito dinheiro e poder acumulados, o maligno mandarim vive saudável há quase 200 anos graças ao Elixir da Vida.

Além deste arquétipo de “yellow peril“, a Marvel usou ainda outros personagens do universo de Rhomer, como seus antagonistas heroicos Sir Denis Nayland Smith e Dr. Petrie, que terão uma forte ligação com o Mestre do Kung Fu.

HQ com ritmo ágil, mostra Shang-Chi com 19 anos, fiel a seu pai – a quem acha justo e verdadeiro – devido ao doutrinamento que recebeu na China para se tornar o principal assassino do Si-Fan. Um combatente perfeito, que domina qualquer arma, tem sentidos aguçados graças a técnicas marciais e possui um elevado nível de inteligência.

Chi ganha sua primeira missão, que é assassinar o inglês Dr. Petrie. O jovem cumpre sua tarefa mas é confrontado por Nayland Smith, que afirma categoricamente que Fu Manchu é o mal absoluto. Shang-Chi tem sua confiança abalada e decide questionar seu pai, além de querer conhecer sua mãe, americana.

Há ótimas cenas de lutas em uma história de origem redonda, que peca apenas por ser rápida demais no desenvolvimento da dúvida de Chi em relação ao seu pai. É um começo instigante para o personagem, que precisa derrotar diversos oponentes, todos também lutadores de artes marciais – além de uma fera – em “locações” na China, Inglaterra e nos EUA. Jim Starlin capricha na narrativa e principalmente nas lutas, que se parecem com as coreografias dos filmes de Bruce Lee (evidentemente!).

Bela arte de Jim Starlin

Assim como em outros gêneros temáticos, a primeira HQ estabelece as premissas de quase toda a série, com algumas convenções e a certeza de que o filho rebelde enfrentará as forças do pai ao lado de outros heróis por um longo tempo.
Nota: 8,0.

2. A Meia-Noite Traz a Morte Sombria
Roteiro: Steve Englehart / Desenhos: Jim Starlin
Arte-Final: Al Milgrom / Cores: Linda Lessmann
Edição original: Special Marvel Edition #16 (fev/1974)

Shang-Chi Versus Meia-Noite

Shang-Chi continua em Nova York, morando no Central Park, onde enfrenta, talvez pela primeira vez na sua vida, um grupo de bandidos comuns, de rua. O autor, nesse momento, introduz uma misteriosa figura sombria. Logo descobriremos que é o inimigo retratado na capa, Meia-Noite.

Esse é um personagem interessante. Irmão adotivo de Chi, foi resgatado pelo seu pai, Fu Manchu, quando ficou órfão, graças a ações de assassinos do próprio Mandarim na África. De nome M’nai, Meia-Noite pode ser considerado um dos primeiros mestres de artes marciais negros dos quadrinhos. Continua fiel ao seu pai, mas considera Shang seu único amigo. Isso, claro, traz um dilema ao jovem.

O recado de Manchu, que pede para matá-lo, é direto: “Sentimento é um dogma da filosofia ocidental, não da nossa.” Jim Starlin, contudo, cria uma provável incoerência com essa filosofia ao colocar um chapéu cowboy, e não chinês ou, quem sabe, africano, no uniforme do jovem M’nai. Mas talvez o ocidente produzisse coisas boas, como este estiloso chapéu? Enfim…

Duelo de irmãos por Jim Starlin

Esta HQ, basicamente, é um desafio entre os dois mestres do Kung Fu filhos de Manchu. Os autores fazem um bom trabalho com a apresentação do novo vilão e no duelo que, ao longo de 10 páginas – quando às vezes os meio-irmãos dialogam, às vezes batalham em silêncio -, prende a atenção e traz um desfecho cruel, bem conduzido, que será sem dúvida marcante para Chi.
Nota: 7,5.

3. O Covil dos Perdidos!
Roteiro: Steve Englehart / Desenhos: Jim Starlin
Arte-Final: Al Milgrom / Cores: George Roussos
Edição original: Master of Kung Fu #17 (abr/1974)

Primeira aparição de Black Jack Tarr

Esta terceira história do personagem é também a primeira com seu nome encabeçando o título. Era tradição da Marvel mudar o nome de uma revista genérica, como Special Marvel Edition, para o do personagem que “emplacasse” em suas páginas, e daí continuava com a numeração anterior (hoje em dia isso seria improvável, claro).

A edição #17 de Master of Kung Fu começa com caixas de texto com uma filosofia tão barata que é impossível não achar engraçado. Será que algum leitor da época levava a sério os “ensinamentos” orientais? Acho que só Steve Englehart (e talvez nem ele), tenha curtido essas frases-clichê dos filmes e séries de TV do gênero artes marciais.

Uma curiosidade: o trio de artistas faz uma rápida aparição especial nas batalhas, vale a pena procurá-los.

A parte relevante: esta é a primeira aparição de Black Jack Tarr, que seria um dos mais notórios coadjuvantes e aliados de Shang-Chi no futuro. Tarr é uma criação da Marvel, não pertencendo, portanto, ao rol de personagens de Sax Rohmer, e por isso apareceu em outras HQs, tendo até uma versão no Universo Ultimate.

Ainda em Nova York, o Mestre do Kung Fu é atraído para uma emboscada, criada por Nayland Smith: uma casa repleta de armadilhas. O roteiro parte, então, para aquele clássico modelo de desafios menores até o boss, no caso, o próprio Black Jack, retratado na capa de uma forma gigantesca, desproporcional ao que aparece internamente.

De fato, Starlin o desenha também grandioso mas não tão exagerado como na capa. Com o tempo, é curioso observar como o personagem seria bastante diminuído em estatura e músculos.

A arte está bem inferior em relação aos dois números anteriores. Todas as páginas tem um detalhamento menor, sem muito cuidado com layout nem contornos. Há uma splash page dupla simplesmente infeliz. Talvez Starlin tenha tido menos tempo para produzir o lápis, mas a arte-final nem parece ter sido do mesmo Al Milgrom.
Nota: 6,0.

4. Atacar!
Roteiro: Steve Englehart / Desenhos: Paul Gulacy
Arte-Final: Al Milgrom / Cores: Petra Goldberg
Edição original: Master of Kung Fu #18 (jun/1974)

Chi enfrenta diversos assassinos

Paul Gulacy é o substituto de Jim Starlin nos desenhos nesta quarta – e penúltima – história de Shang-Chi escrita pelo seu criador, Steve Englehart. Gulacy é um grande artista, fortemente influenciado pelo trabalho de Jim Steranko – como muitos outros nomes surgidos no período -, competente na quadrinização e até arrisca lay-outs diferentes. De certo modo, contudo, prefere a prudência nestas primeiras aventuras e se alinha com Starlin, especialmente na coreografia das lutas.

É nesta história que Shang-Chi aceita um acordo de cooperação com Nayland Smith – que ganha um flashback de 1911, quando conheceu Fu Manchu. Segundo Smith, ele teria devastado a China algum tempo antes daquele encontro. Talvez tenha sido um exagero, mas não lembro se essa questão foi abordada na série, ou se vale para a história do Universo Marvel.

Smith compartilha uma informação com o herói, que parte sozinho para a Flórida a fim de impedir um plano maligno e rocambolesco de Fu Manchu. Além dessa curiosa mudança de cenário, o Mestre do Kung Fu enfrenta, acredito que pela primeira vez, um adversário superpoderoso, um assassino dacoit chamado Satma, três vezes mais ágil e forte que um humano.

A arte de Gulacy chama a atenção, embora ainda tenha pontos a melhorar, em uma história sem grandes atrativos, mas com um acontecimento importante para o futuro do personagem, que é a união com Sir Smith, o antagonista original do vilanesco Fu Manchu. O plano é inverosímel e a resolução, bastante forçada, com direito a um “golpe impossível” de nosso herói.
Nota: 6,5.

5. Recuar
Roteiro: Steve Englehart / Desenhos: Paul Gulacy
Arte-Final: Al Milgrom / Cores: Stan G.
Edição original: Master of Kung Fu #19 (ago/1974)

O Homem-Coisa é o primeiro Team-Up da revista

Para sua despedida, Englehart traz o primeiro team-up com outro personagem Marvel, o Homem-Coisa. Com certeza, é uma escolha inusitada. Criado há apenas 3 anos, não tinha popularidade, nem era um super-heroi mas, quem sabe, esta revista pode ter tido a honra (?) de ser o primeiro crossover entre os gêneros “Artes Marciais” e “Terror” da editora.

O autor cria ainda dois novos assassinos Si-Fans genéricos, Jekin e Dahar, que darão muito trabalho a Chi.

Em paralelo, Sir Denis Nayland Smith e Black Jack Tarr, que agora também estão na Flórida, quase conseguem capturar Fu Manchu, que escapa, aparentemente, utilizando algum poder místico.

Paul Gulacy esmera-se na composição desta splash page com o Homem-Coisa

Paul Gulacy faz um ótimo trabalho nas lutas e na maior parte das composições, com quadros impactantes, mas ainda falha no lápis em alguns quadros, corpos e rostos. O final desta HQ é muito bacana, sendo a ideia da “filosofia oriental” bem trabalhada, até levemente tocante e contundente.
Nota: 7,5.

6. Arma da Alma
Roteiro: Gerry Conway / Desenhos: Paul Gulacy
Arte-Final: Al Milgrom / Cores: George Roussos
Edição original: Master of Kung Fu #20 (set/1974)

Shang em Miami, bem antes de Scott Lang!

Esta é a primeira história de Shang-Chi escrita por outro autor, o jovem Gerry Conway, responsável pelo trágico fim de Gwen Stacy nas páginas do Homem-Aranha apenas um ano antes. A abordagem é parecida com a de Englehart mas Conway traz um frescor ao não incluir Fu Manchu diretamente na aventura.

Chi deixa os pântanos de Everglades e chega a Miami, onde enfrenta um trio de mergulhadores assassinos (!) na praia. Logo descobrimos que um criminoso local, tentando ganhar maior influência e poder, é o responsável: Demmy Marston, um americano elegante, retratado por Gulacy como se fosse algum ator de cinema, com as roupas, trejeitos e hábitos dos ricos que curtiam ostentar nos anos 1970, com iate ancorado e tudo o mais.

Injuriado por uma derrota, Marston não pensa duas vezes em espancar sua namorada, Diana, que até o final da HQ será protagonista de uma cena chocante.

Conway cria um novo vilão genérico lutador, Korain, descrito como um Samurai veterano que, por alguma razão, decidiu passar sua aposentadoria como assassino de aluguel nas Florida Keys.

Para o leitor frequente, esse recurso do “lutador do mês” começa a incomodar. Certamente brota aquela perguntinha na mente: “será que vai ser sempre assim?”.

Em todo caso, a HQ traz um roteiro e arte fluidas, com algumas curiosidades e um final completamente inesperado, com uma situação ligada ao Elixir da Vida, a fórmula secreta que mantém Fu Manchu com força e vigor de um adulto, apesar da idade avançadíssima.
Nota: 7,5.

7. Máscara da Morte
Roteiro: Doug Moench / Desenhos: Paul Gulacy
Arte-Final: Dan Adkins / Cores: Petra Goldberg
Edição original: Giant-Size Master of Kung Fu #1.1 (set/1974)

Capa da Primeira Edição Especial do Personagem

Provavelmente a revista mensal do personagem estava vendendo muito bem, porque a Marvel publicou esta edição especial entre os números #20 e #21, cinco meses desde a estreia da série regular.

Convocado para roteirizar Giant-Size, Doug Moench seria o escritor titular de Shang-Chi por anos e anos a fio, grande parte deles em parceria com Paul Gulacy.

A história é boa, fechada, como a maioria da produção da época, embora também fizesse parte de um arco maior, uma cronologia ampla da luta entre Fu Manchu e seu filho rebelde.

Moench leva Shang novamente para Nova York, onde apresenta Ducharme, uma espécie de confidente e assistente do vilanesco Mandarim, e também o Conselho dos 7, os mais leais e capazes lutadores do Si-Fan.

Shang-Chi ganha elegância e uma atmosfera noir com Paul Gulacy

Bela arte, a melhor de Gulacy até o momento, com alguns quadros icônicos, com uma atmosfera noir permeando as diversas lutas contra assassinos coloridos, diferentes entre si, com muita ação e onde finalmente concluímos que Shang-Chi é, de fato, um grande Mestre do Kung Fu: extremamente veloz, habilidoso, preciso. Texto econômico nos recordatórios, roteiro coeso, embora nada muito criativo, eficiente e de leitura agradável, mesmo nos dias atuais.
Nota: 8,5.

8. Passado Congelado, Memórias Partidas
Roteiro: Doug Moench / Desenhos: Graig Russell
Edição original: Giant-Size Master of Kung Fu #1.2 (set/1974)

HQ curta contida na edição Giant-Size americana da história anterior, de leitura rápida, mas que se passa em Miami. O que dizer? Bem, a arte é bem inferior, cheia de falhas, tanto de proporção quanto de montagem dos quadros. Vale como curiosidade artística, porque Craig Russell estudaria muito e se aprimoraria nos anos seguintes, até se transformar em um dos grandes mestres modernos dos quadrinhos. Impossível imaginar que este trabalho amador foi feito pelo mesmo autor multipremiado e parceiro de Neil Gaiman em Sandman e outros projetos, além de clássicos da Marvel como “What´s Disturbing you, Dr. Strange?“.
Nota: 4,0.

9. Reflexos em Águas Turvas
Roteiro: Doug Moench / Desenhos: Ron Wilson / Arte-Final: Mike Esposito
Edição original: Giant-Size Master of Kung Fu #1.3 (set/1974)

Outra HQ curta, mas com um desenvolvimento e arte melhores e um desfecho bem resolvido. É Chi atuando na vizinhança de Miami, provavelmente depois da história Arma da Alma. Entretém.
Nota: 6,0.

Resenha de Avante Vingadores #6 – Panini Comics

Thanos faz sua entrada triunfal na revista dos  Supremos!

Resenha com todas as histórias contidas na edição #6  da revista mensal Avante, Vingadores! Pela primeira vez não há uma história solo da Capitã Marvel e 2 títulos aparecem com histórias dobradas.

. Nível de spoilers: leves.

Os Supremos #6 e #7
A primeira história desta revista é realmente diferenciada. Al Ewing, como já dito antes aqui, não se intimida com a grandiosidade dos elementos com os quais está brincando. Ele simplesmente deixa os Supremos de lado e escreve um conto cósmico do Galactus, baseado no mito de Sísifo, com direito a uma conversa franca e intrigante com o Homem Molecular. Sim, também como já dissemos antes, este título é praticamente uma sequência das Guerras Secretas. Mas, vai além, e Galactus, o agora Portador da Vida, vai ser confrontado por outras entidades que aparentemente não concordam com sua mudança de status quo. Sem dúvida alguns dos mais interessantes personagens do vasto panteão cósmico da Marvel estão nestas páginas. O desenhista convidado, Christian Ward, entrega imagens inesquecíveis. Outro trabalho fantástico.

Galactus soca outra Entidade Cósmica

Na segunda história, o autor divide o foco entre Carol Danvers, que precisa investigar uma suspeita levantada pelos Shiars, e o Adão Negro, que agora tem uma nova incumbência em pesquisar e conter seu antigo amigo e ex-vilão, Conner Sims, que fora resgatado no capítulo anterior no “tempo além do tempo”. Fico grato que o autor recupera esse importante elemento associado à origem do Adão Negro para criar novas histórias. O final da edição #7, contudo, é o ponto alto, pois Thanos ressurge, trazendo como sempre aniquilação. Kenneth Rocafort e Dan Brown retornam na bela arte. HQ recheada de acontecimentos, com roteiros criativos, personagens se não cativantes ao menos intrigantes, e diálogos cuidadosamente lapidados. A melhor série desta revista!
Nota: 9,0.

Esquadrão Supremo #7
Segunda parte do arco focado na Doutora Espectro, que parte em missão submarina, onde encontra mais do que esperava. Aliás, mais também do que o leitor imaginava. Novamente, James Robinson confirma que é um grande pesquisador do Universo Marvel e, imagino, entusiasta dos clássicos. Enquanto isso, em Nova Iorque, seu colega Falcão Noturno encontra… o outro Falcão Noturno! Bom, aqui vale uma pequena explicação: o nome original em inglês destes dois heróis é, de fato, Nighthawk. Porém, no Brasil o Nighthawk original, que atuou no Esquadrão Supremo e nos Defensores, tinha a tradução de Águia Noturna. E é ele quem aparece por aqui, disposto a encarar sua contra-parte interdimensional! No mais, há um pequeno trecho com Hypérion “descobrindo” a América e, de novo, nada da Tundra. Os desenhos de Leonard Kirk e Paolo Villanelli caíram de qualidade. Em alguns quadros há carência de detalhes, corpos desproporcionais e até mesmo a composição parece truncada. No geral, é uma edição menor, leitura rápida demais… vamos ver como se desenrola a conclusão no próximo número.
Nota: 6,0.

Força-V #7
Kelly Thompson conclui o arco com a Thor-Cristal que, finalmente, traz alguma relevância mas, mesmo a bela e vibrante arte de Ben Caldwell, Scott Hanna e Ian Herring não suavizam o bastante a irritante sequência de frases de efeito, piadas forçadas e a quase obsessiva necessidade de criar “fricção” entre as heroínas. A impressão final é que todas são igualmente duronas, cheias de atitude, mas que ao mesmo tempo não se descuidam da roupa e do cabelo – tudo em meio às batalhas e ameaças mortais. Claro, com exceção de Singularidade que, parece, não desperta a menor simpatia à nova roteirista e aqui é praticamente esquecida, o que é uma pena porque é uma personagem ainda nova e diferente. A vilã, Condessa, não traz tensão em nenhum momento e, mesmo assim, a forma como as heroínas a derrotam chega a ser engraçada de tão absurdamente simplória. Fiquei sem entender… apesar de ser um título para pré-adolescentes modernas e descoladas a referência é uma música pop dos anos 1980!? Então tá!
Nota: 5,0.

Incrivelmente Sensacional Hulk #6
Conclusão do segundo – e curtinho – arco do novo Hulk com a nova Thor, com bons desenhos de Michael Choi. Gostei mais do seu trabalho nesta segunda parte, porque capta melhor a energia do jovem e impetuoso Amadeus Cho. Também há mais leveza onde precisa e até nos momentos dramáticos o desenhista atinge os pontos certos nas expressões faciais, na postura dos corpos e na diagramação das páginas.

Arte interna de Mike Choi com o Hulk Amadeus e a Nova Thor

Há momentos divertidos na interação da poderosa dupla de heróis, que precisam ajudar um grupo de ferreiros Anões a recuperar metal Uru roubado pela Encantor. É uma história redondinha de Greg Pak, sem firulas, sem furos, sem grandes situações mas bem contada, que começou morna na edição anterior mas conclui de modo decente, respeitando as características de todos os personagens, com direito a um momento terno entre os irmãos Amadeus e Maddie.
Nota: 7,0.

Homem-Formiga #7 e #8
Mais dois capítulos de um longo e divertidíssimo arco com os infortúnios de Scott Lang, o Homem-Formiga. Após descobrir que o paradeiro de sua filha Cassie está relacionado ao Corretor do Poder e seu novo aplicativo para vilões, o Capanga 2.0, Scott decide ir direto ao encontro do perigoso e sarcástico executivo maligno, mas primeiro terá que enfrentar o novo… Homem-Planta! Há, como de costume, um cuidadoso trabalho com a caracterização de cada um dos diversos personagens da série que é, de verdade, não somente uma HQ do Homem-Formiga, mas de sua família, de seus adversários, dos amigos Mecanus e Urso, de antigos e novos amores. Pois é, parece mesmo uma sitcom, mas das boas! Nick Spencer dá conta de tudo isso com uma aparente enorme facilidade, com a valiosa ajuda de Ramon Rosanas na edição #7 e de Brent Schoonover na #8.

Capa da edição #7 com Homem-Formiga e seus parceiros em Miami

Essa segunda história, aliás, é ainda mais deliciosa de se ler. O autor recupera o tom de sua série Os Superiores Inimigos do Homem-Aranha (que saiu anos atrás na revista Aranhaverso), e traz um conto hilário – e até levemente deprimente – de um encontro entre 4 vilões classe-Z que, de alguma forma, acabarão trabalhando com nosso herói em uma missão de resgate. Melhor não contar nada além disso para não estragar, mas vale registrar que os autores nos lembram sempre que possível que há outra bela personagem central nesta ótima série: Miami.

Nota: 8,5.

Nota Final para esta Edição: 7,1.

Rápida Resenha de X-Men #7 – Panini Comics

Na capa, chamada para o início da saga Guerras Apocalípticas

Uma saga que interligará os 3 títulos dos X-Men começa nesta edição, que novamente conta com uma história de cada equipe, mais uma extra curta. Resenha livre de spoilers, confira e comente! As “Guerras Apocalípticas” devem durar vários meses.

Novíssimos X-Men 7: de Dennis Hopeless e Mark Bagley

Continuação da aventura dos jovens X-Men em Paris, este título ainda não está interligado com a saga “As Guerras Apocalípticas”. Após o embate com Blob vamos acompanhar, com uma boa dose de desespero, o cativeiro de Ciclope contra outro dos primeiros inimigos da equipe, Groxo. Para os que estão começando a desvendar o enorme contingente de personagens que frequentam as páginas dos mutantes da Marvel, Groxo é, tradicionalmente, um dos vilões menos perigosos de todos os tempos, tendo sido lacaio de Magneto ou faxineiro na Mansão-X. Por isso mesmo, não é corriqueiro que ele se torne uma ameaça, mas a situação criada por Hopeless é interessante, porque possível. Enquanto sofre nas mãos de Groxo – com direito a uma das cenas mais brutais que já vi com um X-Men -, Ciclope usa sua mente estratégica para tentar escapar, mesmo imaginando que o resto da equipe deve estar à sua procura. Bagley continua se destacando, criando sequências tensas, intercaladas com cenas de convivência também muito bem delineadas. Grande parte da qualidade da arte é, sem dúvida, efeito de Nolan Woodard nas cores. Nota 7,5.

Extraordinários X-Men 8.1: de Jeff Lemire e Humberto Ramos

A primeira parte das “Guerras Apocalípticas” é conduzida com categoria por Lemire e Ramos, que trazem de volta um grotesco vilão, eternamente associado à saga da realidade alternativa da Era do Apocalipse, de 1994. Mas, se você desconhece essa história e esse tal vilão, não se preocupe, dá para começar a ler esta revista sem esse backgroundTempestade está planejando os próximos passos de sua poderosa e vasta equipe, em um diálogo bem costurado com o Velho Logan, quando são interrompidos com uma notícia perturbadora: de repente, surgiram 600 novas assinaturas de mutantes em Tóquio. É algo completamente inesperado porque a Névoa Terrígena dos Inumanos tem impedido o surgimento de mutantes no mundo Marvel. Colossus, Cérebra e alguns dos estudantes do Abrigo-X resolvem investigar. A premissa estava interessante, até o epílogo. Na verdade, algo que me preocupa é que esta saga envolverá, pelo jeito, viagens no tempo e versões alternativas de nossos queridos X-Men – o que pode ser muito bom, dependendo da história, mas também pode ser enfadonho, porque é um recurso utilizado inúmeras vezes, inclusive recentemente. Victor Olazaba é um colorista talentoso e ajuda a deixar este título moderno. Vamos aguardar os desdobramentos. Nota 8,0.

Extraordinários X-Men 8.2: de Jeff Lemire e Victor Ibañes

Curta, porém bem desenvolvida história de Magia e Sapina – uma nova personagem que apareceu pela primeira vez na edição #1 – em visita ao Doutor Estranho. É sempre válido quando a editora promove histórias que conectam os X-Men ao resto do Universo Marvel. E nada mais natural do que o Mago Supremo para investigar os dons de Sapina. Este é outro exemplo da competência de Lemire. Em poucas páginas, há ação, grandes revelações, ótimas caracterizações dos personagens e tudo com diálogos bem construídos. Ibañes entrega outro bom trabalho e parece se consolidar como o desenhista escalado para intercalar as HQs dos Extraordinários com Humberto Ramos. Nota 8,0.

O bom Doutor em uma rara aparição no título dos X-Men

Fabulosos X-Men 6: de Cullen Bunn e Ken Lashley

Novo desenhista no título, Lashley é veterano na Marvel e já trabalhou com os mutantes. Não sabemos se ele continuará nos Fabulosos de vez, mas como este é também um capítulo das Guerras Apocalípticas fica a expectativa de que pelo menos cuidará de todo este arco. O foco, como não poderia deixar de ser, já que estamos tratando de uma saga que envolve Apocalipse, é o Anjo, que já foi um de seus Cavaleiros e teve diversas transformações físicas e espirituais desde então. O Anjo atual, é preciso lembrar, é um enigma e Psylocke parece finalmente disposta a desvendá-lo. Há recapitulações da confusa trajetória do herói alado em uma história lenta, que ganha alguma movimentação quando o foco muda para a missão de Monet e Dentes de Sabre, mas nada muito interessante. O clifhanger, contudo, é bem curioso – ponto para Bunn, que parece capaz de reciclar temas tradicionais da mitologia mutante com uma certa criatividade. Nota 6,0.

Nota Final desta Revista: 7,3.